Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

16 de fevereiro de 2009

Voltando a falar sobre fotografia


Após uma longa auzencia , voltamos com o complemento do curso de fotografia, (Imagem latente e ou análogica/ com filme)

A iluminação na fotografia

Para a correta correção de tons, que representem no filme a diferente tonalidade das cores da natureza, um fator fundamental é a luz.
O sol é a iluminação universal, tanto para os materiais pretos e brancos quanto às cores. Mas, quando temos que fotografar em interiores tem que nos utilizarmos da iluminação artificial, trocando nossa luz natural, pela lâmpada.
Há uma grande variedade de iluminação artificial, entre elas as lâmpadas de: alógeno, tungstênio e as lâmpadas relâmpagos. É preciso, porém, levar AM consideração alguns fatores referentes à temperatura de cor, a quantidade de luz e seu rendimento
As lâmpadas Foto floods, se parecem com lâmpadas comuns, caseiras, mas custam mais que estas. São super-voltadas, possuem filamento reforçado para suportar uma maior temperatura. Produzem luz mais forte, mas tem a vida útil mais curta. Encontram-se sob os nos um e dois com 500 e 1000 Watts respectivamente.
Embora a duração dessas lâmpadas possa parecer curta, é bastante longa em termos de exposição. Estas lâmpadas dão uma luminosidade muito intensa e fica melhor no estúdio quando usados em baterias, com difusão, com uso de luz auxiliar. O tempo de vida em relação AA sua potencia ideal, é de três e seis horas de uso.

Luz principal ou modeladora
Através de um ou dois refletores, posicionado cuidadosamente, em relação ao objeto principal, teremos assim, uma iluminação modeladora do rosto. Essa exposição deve ser de 30º a 40º em relação à câmera. Essa luz deve ser colocada a determinada altura de modo a não formar sombra, no nariz. Se um lado do rosto ficar mais escuro que o outro, usa-se uma segunda lâmpada para clarear a sombra.

Luz secundária auxiliar
É a que colocada entre a câmera e o modelo, dirige a luz sobre todas as partes visíveis, reproduzindo a densidade de todas as sombras. Essa luz deve ter luminosidade controlada, para não destruir o efeito da luz modeladora. Deve clarear apenas o suficiente para que apresente tonalidade médio-escura a depender do resultado desejado. Uma base razoável para experiência seria a de usar-se essa luz com ¼ de intensidade da luz principal, o que se consegue, colocando-a com o dobro da distância da luz principal até o modelo.
Para resultado mais profissional, devem-se incluir mais um refletor para iluminação do fundo e um spot para dar brilho ao cabelo.

0 comentários :

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.