Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

17 de março de 2009

Continuando a falar sobre fotografia


A luz relâmpago


UTILIZAÇÃO DO FLASH
Muito embora, as câmeras disponham de adaptador com contactos eletrônicos, para flash, na grande maioria das vezes, sua utilização é mais eficaz, quando separada desta. Para se conseguir resultados satisfatórios é preciso planejamento cuidadoso. A luz dos flashs eletrônicos são azuladas para serem apropriadas aos filmes coloridos e a luz do dia e sua luminosidade pode ser, “misturada” com essa luz, sem prejuízo da temperatura de cor.
É o caso de quando usamos o flash para iluminação de sombras, quando fotografamos a luz do sol. Nesse caso não queremos eliminar as sombras, mas clareá-las.
A maneira prática de conseguir isso, é, dobrando-se o nº guia do flash e calculando-se a exposição. O filme receberá ¼ da exposição que receberia, com o nº guia normal.
Obs.: Quando se dobra o n º guia do flash, significa o mesmo que estimar a sensibilidade do filme, como sendo quatro vezes maior.
Essa prática é bastante simples, se tratando do obturador de paletas, que sincroniza a luz do flash com todas as velocidades. Ex.: Se o fotômetro recomendar uma exposição de 1 / 125 a f. 8, ponha essa exposição e divida o nº guia do flash, dobrado, por 8, para achar a que distância deverá ficar o flash do assunto.
Com o obturador de cortina, a coisa se complica porque a velocidade a ser usada, tem que ser sincronizada com o flash. Assim, a solução pode ser, tomada por exemplo, os valores acima, 1/125 a f. 8, procuramos um par de diafragma obturador, onde a velocidade coincide com o sincronismo do flash. No caso 1/60 a f. 11, achando o valor da distância, dividindo-se o número guia dobrando por esse nº f. .

LUZ REBATIDA DO FLASH
O flash é dirigido à uma superfície refletora, que pode ser, desde sombrinhas rebatedoras até placas pintadas de branca ou placas de isopor. Isso produz uma iluminação mais suave e uniforme, sem as sombras ásperas que aparecem, quando o flash é direto. Em alguns casos , a distância que a luz percorre do flash até a superfície rebatedora e desta até o modelo, tem que ser compensada, dividindo-se o nº guia por essa distância para achar a abertura. Com filmes coloridos, não se deve rebater a luz do flash, através de superfícies coloridas, pois o filme é capaz de absorver essa coloração.
A luz do flash pode ser rebatida, tanto quanto maior seja a sua potência.

0 comentários :

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.