Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

25 de junho de 2009

Pequena história de Sylvinha Araújo

25 de junho
2008, morreu Sylvinha Araújo

Os anos 1960 revelaram inúmeros talentos na música brasileira. Depois da turma da Bossa Nova, veio a turma da chamada MPB (Elis, Caetano, Gal, Bethânia, Gil, Edu Lobo...) que se contrapunha à turma da Jovem Guarda (Roberto, Erasmo, Wanderléa, Ronnie, Sérgio Reis, Golden Boys...).
A TV Excelsior era líder de audiência, seguida de muito perto pela TV Record que, de repente, emplacou o programa Jovem Guarda, com Roberto Carlos no comando.
A Excelsior não ia ficar atrás. Pra concorrer com Roberto e Wanderléa, inventou um programa com um dos grandes nomes da Jovem Guarda: Eduardo Araújo. Mas tinha um problema: Eduardo queria que sua parceira fosse uma cantora que ele conhecera recentemente. A TV já tinha contratado uma cantora para comandar o programa com ele. O que nem Eduardo nem a TV sabiam é que estavam falando da mesma cantora. Era a Sylvinha. Eduardo acabaria se casando com ela e vivendo um dos mais sólidos casamentos da área artística, até a morte dela, em 2008, 39 anos depois.
Silvia Maria Vieira Peixoto Araújo nasceu na cidade de Mariana, Minas Gerais, em 16 de setembro de 1951.
Nelson Motta, até hoje uma das maiores autoridades em crítica musical, passou a chamá-la de “Janis Joplin Brasileira”, depois de ouvir a versão soul que ela gravou da música “Paraíba”, de Luiz Gonzaga.
Ela ainda não tinha 18 anos quando apareceu na TV pela primeira vez, no programa do Chacrinha, o grande apresentador da época.

Logo depois veio a fama, no palco da Jovem Guarda.
Ao lado de Eduardo Araújo comandou o programa “O Bom” e, juntos, gravaram inúmeros sucessos.
Por alguns anos, esconderam dos fãs o seu relacionamento amoroso. E Carlos Imperial, que era empresário dos dois, queria processá-los em 30 milhões de cruzeiros por desrespeitar a cláusula contratual que estipulava que, na vigência do contrato, era proibido se apaixonar.
Mas, quando se casaram, em 1969, a famosa igreja da Consolação, em São Paulo, foi pequena demais para abrigar a multidão que veio prestigiar o casal.
Sylvinha chegou na limousine de Roberto Carlos e entrou na igreja conduzida por Ronnie Von, grande amigo do casal até os dias de hoje e padrinho de casamento. Todos os ídolos da Jovem Guarda lá estavam.
O casamento foi uma verdadeira “Festa de Arromba”, como queria a música de Erasmo e Roberto.
Dos ídolos da Jovem Guarda, só Roberto se manteve no auge por décadas e até hoje pode ser considerado um grande sucesso. Todos os outros diversificaram suas carreiras. Por exemplo, Sérgio Reis virou um sucesso sertanejo; Ronnie Von, apresentador de TV. Wanderléia continua muito solicitada para shows e grava frequentemente, a exemplo do disco que está lançando agora, “Nova Estação”.
Eduardo Araújo passou pelo rock pesado, montou uma gravadora (Number One) e Sylvinha, que foi jurada do programa de calouros do Silvio Santos nas décadas de 1970 e 80, se transformou numa das mais importantes cantoras de “jingles” do país (gravou mais de 2 mil), tendo gravado poucos discos, mas todos os que gravou são verdadeiras maravilhas, como o CD “Suave É a Noite”, de 2001.
Ronnie Von a considera uma das vozes mais afinadas do Brasil.
Mas Sylvinha, que nos deixou sua autobiografia, pela editora Novo Século, “Anjo Lilás”, soube também se dedicar ao marido e aos filhos, num casamento que durou quatro décadas, até a sua morte.
Em 1996 ela descobriu um câncer de mama, infelizmente já avançado. Foram 12 anos de luta, sem nunca deixar suas atividades. Em 2007, Eduardo e Sylvinha lançaram o CD “40 Anos de Jovem Guarda”.
Mas o câncer venceu a guerra e levou Sylvinha, precocemente, aos 56 anos de idade, no dia 25 de junho do ano passado. Ela estava internada, havia 21 dias, no Hospital 9 de Julho e foi enterrada em Itapecerica da Serra.
Minha mais nova amiga, e uma das mais queridas, Norma Portal, que mora em Portugal, veio ao Brasil para acompanhar os funerais de Sylvinha que era também sua grande amiga.

Colaboraçõ: Izabel Vasconcelos
http://www.isabelvasconcellos.com.br

0 comentários :

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.