Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

16 de novembro de 2009

Pequena estória da História- Marquesa de Santos

Uma pequena biografia ou estória de uma das parsonagens da nosa conturbada história do período da monarquia Brasileira. 



Amante do nosso imperador D.Pedro I, a Marquesa dos Santos , aos 30 anos de idade, pensou que finalmente seria a imperatriz, quando D.Leopoldina, esposa de D.Pedro, morreu.

Mas casamento de nobre é sempre casamento de conveniência e, assim, a corte decidiu que a próxima imperatriz seria Amélia, uma princesa européia.

A Marquesa dos Santos então deixou a corte e se instalou em São Paulo, sua terra natal, onde seu solar ficou famoso por abrigar artistas e intelectuais, e lá eram promovidos inesquecíveis saraus. A casa existe até hoje e está aberta à visitação pública.

O verdadeiro nome da Marquesa era Domitila de Castro e ela nasceu em São Paulo, capital, em 27 de dezembro de 1797, filha do Visconde João de Castro Canto e Melo e de Escolástica Ribas.

Tinha apenas 16 anos quando foi dada em casamento a Felício Pinto Coelho de Mendonça, com quem teve 3 filhos.

A maternidade no entanto não diminui-lhe em nada a beleza e o marido morria de ciúmes dela e eles viviam brigando por causa dos olhares gulosos que os rapazes viviam dando a ela.

Domitila estava grávida do terceiro filho, em 1819, quando, no auge de uma briga, Felício acabou dando duas facadas na perna dela e fugiu.

Foi por isso que ela foi à corte, para pedir a Dom João VI que lhe concedesse o divórcio e a deixasse ficar com os filhos.

Dom Pedro a viu na Corte e apaixonou-se instantaneamente. Por isso ela passou a viver no Rio, como amante oficial do imperador. Foi ficando cada vez mais poderosa.

Em 1824 a imperatriz Leopoldina fez dela sua primeira dama de companhia. Era melhor ter a amante do marido debaixo do seu nariz do que longe e com todo aquele poder.

O imperador acabou dando a ela o título de Marquesa e acrescentou “de Santos” para irritar José Bonifácio, que era santista.

Politicamente, Domitila era liberal e foi ela quem influenciou nesse sentido muitas das decisões do Imperador. Ela teve mais cinco filhos com ele, mas um, em 1823, nasceu morto.

A Marquesa de Santos já vivia na corte há oito anos quando a imperatriz morreu e ela, então, sonhou em, finalmente, transformar-se na mulher mais poderosa do Brasil.

Mas a vida foi exatamente na contramão dos seus sonhos. Com a chegada da princesa Amélia, para se casar com D.Pedro, os inimigos da Marquesa conseguiram pressionar o Imperador para livrar-se da amante.

Foi assim que Domitila voltou para sua cidade natal, cheia de dinheiro, mas sem o antigo poder.

Em 1833 ela tornou-se amante de um dos homens mais ricos de São Paulo, Rafael Tobias de Aguiar. Em 1842, casou-se com ele.

Sua casa tornou-se um ponto de encontro de maçons, artistas e intelectuais e ela recuperou grande parte da influência política que tivera na Corte. Ficou conhecida por sai grande generosidade para com os pobres e pela enorme ajuda que dava aos estudantes de Direito da Faculdade do Largo de São Francisco.

Muitas atrizes brasileiras viveram a Marquesa dos Santos: Em 2009, no teatro, Ana Paula Vieira; Luana Piovani em 2002 na minisérie Quinto dos Infernos; Rejane Santos em 2001 na minisérie Entre o Amor e a Espada; em 1987 pela cantora Marlene na novela Helena; em 1984 por Maitê Proença na minisérie Marquesa de Santos;em 1972 por Glória Menezes no filme Independência ou Morte e em 1917 por Luiza Lambertini no filme O Grito do Ipiranga.

A Marquesa morreu em 3 de novembro de 1867, aos 70 anos de idade e foi sepultada no Cemitério da Consolação, cujo terreno foi doado por ela a São Paulo.

Fonte: http://www.isabelvasconcellos.com.br/

1 comentários :

  • Guará Matos says:
    17 de novembro de 2009 08:52

    E sem falar que a mulher era voluptosa e adora muito....
    Credito que tenha sido feliz.
    Mas de todas as atrizes acredito que a melhor interpretação, que deu sensualidade e uma boa dose de vagabundagem a Domitila, foi a de Maitê Proença.
    Abraços.
    ________
    Leia também> AFOGANDO O GANSO ENTERTAINMENT
    http://jafogandooganso.wordpress.com/

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.