Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

18 de setembro de 2010

Escrito sem A





Escrito sem A
Observação: Este texto não contém a letra "A"


É possível sim.


Sem nenhum tropeço posso escrever o que quiser sem ele, pois rico é o português e fértil em recursos diversos, tudo isso permitindo mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossível. Pode-se dizer tudo, com sentido completo, mesmo sendo como se isto fosse mero ovo de Colombo.
Desde que se tente sem se pôr inibido pode muito bem o leitor empreender este belo exercício, dentro do nosso fecundo e peregrino dizer português, puríssimo instrumento dos nossos melhores escritores e mestres do verso, instrumento que nos legou monumentos dignos de eterno e honroso reconhecimento
Trechos difíceis se resolvem com sinônimos. Observe-se bem: é certo que, em se querendo esgrime-se sem limites com este divertimento instrutivo. Brinque-se mesmo com tudo. É um belíssimo esporte do intelecto, pois escrevemos o que quisermos sem o "E" ou sem o "I" ou sem o "O" e, conforme meu exclusivo desejo, escolherei outro, discorrendo livremente, por exemplo sem o "P", "R" ou "F", o que quiser escolher, podemos, em corrente estilo, repetir um som sempre ou mesmo escrever sem verbos.
Com o concurso de termos escolhidos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir. Porém mesmo sem o uso pernóstico dos termos difíceis, muito e muito se prossegue do mesmo modo, discorrendo sobre o objeto escolhido, sem impedimentos. Deploro sempre ver moços deste século inconscientemente esquecerem e oprimirem nosso português, hoje culto e belo, querendo substituí-lo pelo inglês. Por quê?
Cultivemos nosso polifônico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e de condores.
Honremos o que é nosso, ó moços estudiosos, escritores e professores. Honremos o digníssimo modo de dizer que nos legou um povo humilde, porém viril e cheio de sentimentos estéticos, pugilo de heróis e de nobres descobridores de mundos novos.

Autor: Desconhecido

11 comentários :

  • Wanderley Elian Lima says:
    19 de setembro de 2010 08:37

    Oi Lu
    Fantástico, nunca imaginei que isso fosse possível. Valeu.
    Abração

  • Pelos caminhos da vida. says:
    19 de setembro de 2010 09:35

    Incrivel...

    Bom domingo amigo.

    beijooo.

  • FERNANDO says:
    19 de setembro de 2010 09:53

    Oi, Luizão.
    Muito legal, meu rei. Criar textos sem vogais é uma coisa que jamais me passou pela cabeça, pelo menos no que concerne ao nosso idioma.
    Parabéns por mais essa postagem pra lá de interessante.
    Abraços e um ótimo domingo.

  • Guará Matos says:
    19 de setembro de 2010 11:23

    Grande sacada essa!
    legal mesmo, amigo Lu.

    Bjs.
    ______
    Sua mesa lhe espera no blablablanotelecoteco.blogspot.com

  • Denise Guerra says:
    19 de setembro de 2010 20:16

    Ui, eu vou conseguir? depende do exercício como vc disse. Muito bom, fico como se estivesse em tortos toques dos dedos no micro. Bom domingo! Bjs! consegui!!!

  • Meias de Seda (Suzy) says:
    20 de setembro de 2010 10:36

    Que máximo! rs
    Beijos, meus queridos ;)

    Ritinha tá melhor???

  • Paulo Braccini says:
    20 de setembro de 2010 18:49

    Realmente uma grande sacada ... coisas q provavelmente só a língua portuguesa permite ...

    bjux

    ;-)

  • Victor Faria says:
    20 de setembro de 2010 20:30

    Muito criativo de sua parte! Parabéns!

    Abraço!

  • Cris says:
    25 de setembro de 2010 10:29

    Esse anônimo, mostra a riqueza da nossa Língua!Que pena! Ser ele(a) um anônimo...
    Adorei!

  • Paty Michele says:
    13 de outubro de 2010 19:27

    Impressionou-me muito.
    Tento, sem sucesso, responder-te inteligentemente e sem o A. rsrsrs
    Um bjo!

  • Maria de Lourdes says:
    30 de setembro de 2013 20:14

    E eu que achava que sem a letra A, não podíamos ir a lugar nenhum. Engano.Esqueci-me do quanto a nossa língua portuguesa é riquíssima. Linda postagem!

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.