Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

11 de outubro de 2010

Pequena biografia de Nísia Floresta

12 de outubro
1810, nasceu Nísia Floresta 

 
Uma das primeiras vozes brasileiras a reivindicar os direitos das mulheres, Nísia Floresta baseou-se no trabalho da chamada “mãe do feminismo”, a inglesa Mary Wollstonecraft, para escrever o seu primeiro livro, publicado em 1832, e que fala do direito das mulheres ao trabalho e à independência.
Nesta época, nenhuma brasileira ousaria sequer contrariar o marido, quanto mais contestar em público, com fez Nísia, a autoridade dos homens sobre as mulheres.
Em 12 de outubro de 1810 nasceu Dionísia Gonçalves Pinto, ou Nísia Floresta Brasileira Augusta, no Rio Grande do Norte.
O município onde ela nasceu se chamava Papari e hoje tem o nome dela.
Filha de Dionísio Gonçalves Pinto, um advogado português e de Antônia Clara Freire.
Nísia tinha 13 anos de idade quando se casou com Manuel Seabra de Melo. Mas a garota não gostou da brincadeira e, apenas alguns meses depois do casamento, voltou para a casa de seus pais.
Em 1824 o Rio Grande do Norte estava à beira de uma guerra civil e a família dela resolveu se mudar. Em 4 anos, moraram em vários cidades: Recife, Olinda e Goiânia. Mas o pai de Nísia acabou morrendo assassinado, em 17 de agosto de 1828 e ela foi viver com um estudante de direito, Manuel Augusto de Faria Rocha. Tiveram uma filha em 12 de janeiro de 1830. Essa filha, Lívia Augusta, se transformaria em fiel escudeira da mãe nas viagens que fizeram à Europa e também traduziria suas obras.
Um ano depois do nascimento de Lívia, Nísia começou a escrever para um jornal feminino, o “Espelho das Brasileiras”.
Trinta artigos seus, analisando a condição das mulheres no Brasil e no mundo, foram publicados por este jornal.
Em 1832, com apenas 22 anos de idade, publicou seu primeiro livro: “Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens”, baseado na obra publicada 40 anos antes por Mary Wollstonecraft, “A Vindication of the Rights of Woman”, mas enfocando os inúmeros preconceitos sofridos pelas brasileiras e adotou o pseudônimo com o qual ficou famosa, Nísia Floresta.
Logo depois da publicação do livro, foi morar em Porto Alegre onde dirigiu um colégio para moças.
Seu segundo filho nasceu em 12 de janeiro de 1833, Augusto Américo e neste mesmo ano, em 29 de agosto, seu companheiro morreu subitamente, aos 25 anos de idade.
Como acontecera na sua juventude, mais uma vez foi a guerra que fez com que Nísia e seus filhos se mudassem para o Rio de Janeiro, em 1837, fugindo da Revolução Farroupilha.
No Rio, Nísia fundou mais um colégio para moças.
Seu primeiro livro estava sendo um sucesso, já estava na terceira edição e ela publicou então aquele que viria a ser o seu livro mais traduzido: “Conselhos à Minha Filha”.
A condição da mulher brasileria e a exploração e exterminação dos nossos indígenas – numa época em que quase ninguém se preocupava com essas questões – foram os temas desenvolvidos por Nísia, que lançou mais quatro livros de 1845 a 1849.
No início de 1850 Nísia, com seus filhos, estava morando na Europa. Vendera as terras que herdara do pai para financiar sua estadia no Velho Mundo e fez amizade com intelectuais importantes, entre eles Victor Hugo, George Sand e Augusto Conte. Conheceu todo o continente euroupeu e também o Oriente. Estudou em Londres, Paris e Roma.
Mas mesmo longe de sua terra continuava a publicar livros e a escrever para os mais importantes jornais brasileiros.
Era abolicionista e lutava contra todos os preconceitos.
Publicou seus livros na França, depois na Itália e na Inglaterra.
Passou quinze anos na Europa e só voltou ao Brasil em 1872.
Seus filhos ficaram lá, ambos já trabalhando.
Nísia ficou mais 3 anos no Brasil, dando conferências, escrevendo e falando contra a escravatura, pelos direitos dos negros e das mulheres.
Depois foi encontrar-se com seus filhos em Lisboa e nunca mais voltou ao Brasil. Continuou a escrever e a ser publicada em diversos países.

Nísia Floresta morreu na França, aos 75 anos de idade, em 24 de abril de 1885 e seus restos mortais so vieram para a sua cidade natal – que já tinha então o seu nome – em 1954.
Túmulo de Nísia Floresta localizado em Nísia Floresta, Rio Grande do Norte

6 comentários :

  • Guará Matos says:
    12 de outubro de 2010 00:29

    Um data, então, para ser comemorada.
    Valeu, amigo.
    Bj.

  • Cris says:
    12 de outubro de 2010 10:54

    A ousadia e a perseverança faz a diferença.
    Beijos!

  • Tania regina Contreiras says:
    12 de outubro de 2010 13:41

    Muito oportuno o texto, conhecer um pouco mais de uma mulher como essa sempre vale a pena!
    Abraços,

  • Brasil Desnudo says:
    13 de outubro de 2010 06:42

    Bom dia, Lu!!
    Passei para agradecer sua visita eo comentário deixado lá no Desnudo..
    Estou meio que sumido e, postando poucas matérias, mas andei um tanto doente, passando por intervenções cirúrgicas na coluna, o que me deixou meio fora do ar, mas graças a Deus já estou melhor!!
    Mas é sempre maravilhoso visitar seu blog, com matérias postadas, de cunho de excelentes informações culturais para todos os leitores do Blog...
    Mais uma vez Lu, meus parabéns pela bela matéria postada...
    Espero que tenha tido um ótimo feriado, junto de todos os seus...

    Um grande Abraço


    Marcio RJ

  • PIMENTA E POESIA says:
    13 de outubro de 2010 23:12

    Oi, Lu...amei seu blog. Que bom que vc conheceu o meu. Amo Villa Lobos...principalmente as composições que podem ser adaptadas para crianças.Abraços!

  • Dom Quixote (Thomaz) says:
    14 de outubro de 2010 11:36

    Interessante o texto. Não conhecia Nisia Floresta, e aprendi algo mais. Valeu, Lu. Abraços para a Ritinha.

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.