Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

11 de agosto de 2011

Dia da padroeira da Televisão- 11 de agosto dia de Santa Clara

11 de agosto
1253, morreu Santa Clara, Padroeira da TV.
Ela é a imagem feminina dos franciscanos. É o ideal de São Francisco na versão das mulheres. Em 14 de fevereiro de 1958, o papa Pio XII a transformou na santa padroeira da televisão, já que, um ano antes de morrer, ela, impossibilitada de sair do leito, teve a visão de tudo o que estava acontecendo numa missa celebrada em seu convento e narrou as imagens, com precisão, para as Clarissas, suas discípulas.
Nascida em berço de ouro, a menina Clara deixou para trás todas as riquezas para ir viver literalmente numa pobreza franciscana, unindo-se ao grupo de São Francisco de Assis.
Em sua busca de um maior sentido para a vida, renunciou até aos seus longos cabelos louros, que foram cortados pelo próprio Francisco.
Caetano Veloso fez uma música para ela. Diz “Santa Clara, clareai”.
Ela nasceu Chiara d’Offreducci.
Sua mãe, Hortolona teve uma gravidez muito complicada. Passou mal, quase perdeu o bebê, mas pediu aos céus que lhe fosse dada a graça de conceber aquele filho, que, ela sabia, com aquela intuição que só foi concedida ao sexo feminino, seria alguém muito especial e que faria diferença no mundo.
Em meio a muitas dores, finalmente, em 11 de julho de 1193, Hortolona deu à luz. Era uma menina, de límpidos olhos, e a mãe, agradeceu ao Universo, por ser ela, de gestação tão difícil, perfeita e sadia. Aquilo era uma benção! Era realmente a luz. E, por tudo isso, por sentir-se, naquele momento, agraciada e iluminada, Hortolona resolveu dar à filha o nome de Clara, para que esta viesse também a iluminar o mundo.
Clara foi criada como todas as meninas muito ricas de seu tempo. Mas, à medida que crescia, perguntava-se por que todas as meninas do mundo não tinham a mesma sorte que ela. E, por sorte, ela compreendia o grande amor que sentia em sua família, a fartura de sua mesa, a saúde, a vitalidade de seu corpo e sua beleza extrema, abençoada pelos vastos cabelos loiríssimos e aqueles olhos azuis.
A medida que ia crescendo, a menina se perguntava qual seria a razão de todas as pessoas, no mundo, não desfrutarem de tudo aquilo que ela própria desfrutava. Perguntava-se também, frequentemente, sobre os muitos mistérios da vida. O que, afinal, estariam os seres humanos, as flores, os bichos e as plantas a fazer sobre a face da terra? Que mistério era aquele de, de repente, nascer e ter consciência (teriam as árvores e os bichos, consciência também?) e, também de repente, morrer? Morrer e acabar? Ou haveria alguma espécie de vida depois da morte?
Já adolescente, viu sua família animada, pensando num bom casamento para ela. Um rapaz de sua classe social, com quem ela pudesse ter lindos filhos e seguir assim o curso de prosperidade e nobreza de sua própria estirpe. Mas Clara estava mais interessada nos mistérios da vida. Ouvira falar de um grupo de pessoas que, renunciando às riquezas mundanas, dedicava suas vidas à meditação, à discussão dos mistérios, ao trabalho social e ao cuidado dos animais e das plantas. O líder deles se chamava Francisco e era um homem que, cada vez mais, tinha reconhecida publicamente a sua extrema bondade e compreensão. Também se dizia que aquelas pessoas, vivendo na maior simplicidade, traziam no rosto a alegria e nos olhos a benevolência.
Um dia, aos dezoito anos de idade, para desgosto de sua família, Clara fugiu de casa e foi se unir ao grupo de Francisco, na Porciúncula. Cortou seus lindos cabelos louros, abdicou de toda a fartura e de todos os privilégios, aos quais estava acostumada, para dedicar sua vida aos pobres, aos bichos, à reflexão e à meditação que talvez pudessem levá-la a atingir um sentido maior para a vida.
É que ela já compreendera que os seres humanos não são apenas esses indivíduos isolados que o ego nos faz crer. Ela compreendera que aquilo que acontece a um ser humano afeta a todos, que somos um grande corpo, que estamos indissoluvelmente unidos e interdependentes.
Assim, Clara fundou o ramo feminino da Ordem Franciscana, que é também conhecido como Damas Pobres ou Clarissas.
Houve aquele dia em que as irmãs se sua congregação saíram, como sempre, às ruas para pedir donativos para os pobres que iam ao mosteiro. Voltaram desanimadas, porque quase nada haviam conseguido arrecadar. Vendo o desânimo delas, Clara apenas disse: “Confiem em Deus”. Quando as moças voltaram para pegar a sacola onde estavam os poucos donativos que receberam, viram que já não a podiam carregar. Tudo o que estava lá dentro tinha se multiplicado.
Clara foi feliz no grupo de Francisco e lá viveu pelo resto de seus dias. Sua natural sabedoria fez com que ela se tornasse a líder feminina do grupo e suas lideradas eram então chamadas de clarissas.
Houve uma ocasião em que um bando de malfeitores sarracenos tentou atacar a sede do grupo. Clara, numa súbita inspiração, saiu  à rua, onde os bandidos atacavam, carregando uma linda taça dourada que era usada em celebrações. O sol, como seu aliado, mandou seus raios diretamente para a taça e o reflexo foi tão forte, criando uma luz tão incrível, que os homens recuaram apavorados e fugiram.

Muitos anos depois, quando estava para morrer, impossibilitada de sair de seu leito, Clara lamentava não poder estar presente a um importante ritual que seu grupo celebrava. Mas, de repente, começou a ver, com absoluta clareza, tudo o que acontecia naquele momento no ritual. Narrou tudo às clarissas que a acompanhavam e elas, mais tarde, confirmaram que as visões de Clara estavam corretas.
Por isso, Clara tornou-se, em 1958, a padroeira da televisão.
Clara nasceu em 11 de julho de 1193 e morreu em 11 de agosto de 1253.

Vejam o vídeo da Canção Nova narrado pelo Padre Fernando Santamaria, em santo do dia
video

1 comentários :

  • Wanderley Elian Lima says:
    12 de agosto de 2011 06:11

    Oi Lu
    Acho engraçado isso, existe padroeira(o) pra tudo. Não sabia que a televisão tinha uma.
    Abração

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.