Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

2 de novembro de 2012

Governo frusta as comemorações do dia do Samba em Salvador - Pena

Dia 2 de dezembro dia sem  SAMBA em Salvador Bahia...


O samba é o gênero musical mais representativo do povo brasileiro. Sua cadência tem origem africana.
Para alguns estudiosos, a palavra “samba” vem do umbundo (semba = “dança em que os bailarinos se encontram e se separam”), língua banta falada pelos ovibundos, que habitavam a região Sul e Central de Angola. Para outros, vem do quimbundo (samba = “umbigada”), língua banta falada pelos ambundos, em Angola.
Há outros que afirmam vir do quioco (samba = “brincar, cabriolar”), língua banta, falada pelos lunda-quiocos), ou vir do quicongo (samba = “dança em que os bailarinos se embatem à altura do peito”), língua banta falada pelos quicongos.
Como dança de roda, o samba surgiu em meados do século XIX. No início do século XX, surgiram variações que continuam a evoluir e a agradar a todos os gostos: samba batido, samba corrido, samba de balanço (ou sambalanço), samba de breque, samba-choro, samba de enredo (ou samba-enredo), samba de morro, samba de partido-alto (ou partido-alto), samba de quadra (ou de terreiro), samba de roda, samba no pé, samba raiado, samba-cancão.
O primeiro samba a ser gravado em disco foi “Pelo telefone”, de Ernesto dos Santos, o Donga, e João Mauro de Almeida, em 1917.
A partir de então, o samba tem sido gravado em todas as suas variantes, tornando-se sucesso comercial até hoje.
Sabe por que o Dia Nacional do Samba cai em dois de dezembro? Não, não é a data de nascimento de Tia Ciata. Também não é quando gravaram “Pelo Telefone”.
Muito menos quando Ismael Silva e os bambas do Estácio fundaram a Deixa Falar.
O Dia Nacional do Samba surgiu por iniciativa de um vereador baiano, Luis Monteiro da Costa, para homenagear Ary Barroso. Ary já tinha composto seu sucesso “Na Baixa do Sapateiro”, mas nunca havia posto os pés na Bahia. Esta foi a data que ele visitou Salvador pela primeira vez. Engraçado, não? A festa foi se espalhando pelo Brasil e virou uma comemoração nacional.
Fonte: www..brasilcultura.com.br






? Isso é para ficarmos muito chateados

Alerta feita por Cristino Andrade um dos diretores do SINDSEPS Sindicato dos funcionários da Prefeitura de Salvador. 
Olá, Galera! Boa tarde a todos! Triste em saber que não teremos a comemoração pelo dia do Samba (02/12), que há 40 anos tinha a sua celebração na Praça Municipal de Salvador! Festa marcada pela alegria dos baianos e turistas, e sempre comandada pelo sambista Edil Pacheco. Este ano, a festa faria uma justa homenagem a outro importante sambista do cenário baiano e brasileiro, Nelson Rufino (Um dos autores da música "Verdade", imortalizada na voz de Zeca Pagodinho). Problemas no repasse de verbas com o Ministério da Cultura, fizeram com que essa comemoração ficasse inviabilizada! Lamentável! Mas, ainda assim..........VIVA O SAMBA, MINHA GENTE!!!!!!!!!!
Eu lucidreira que tem um compromisso com meus leitores dos meu Blog do Lu Cidreira e Blog Jornal do Ivie Cidreira fico triste com tal ação do Ministério e da Secretária da cultura, pois é dessa comemoração que já surgiram muitas letras e músicas do nosso repertório de SAMBA. É só ouvir várias delas na voz de João Bosco, Walmir Lima, Riachão, Nelson Rufino, Claudete Macedo, Mariene de Castro, Jota Veloso, E dil Pacheco, Juliana Ribeiro, Wil Carvalho, e muitos outros/as artistas que sabem muito bem cantar e encantar com os nosso Samba.
Será uma das mais brutal porrada na cabeça dos que gostam e querem que o Dia do Samba tenha sua comemoração a altura do que o dia mereça e a cidade de Salvador esperava.

O que diria os velhos sambistas baianos que já se foram caso estivessem aqui, Batatinha, Ederaldo Gentil, Jota Luna, D. Judite do Prato, Valter Alfaiate e muitos outros,  diriam "O SAMBA ACABOU PARA NÓS" sambistas baianos, pois não veremos este ano na Cantina da Lua e na Praça Tomé de Souza as grandes rodas de Samba.

1 comentários :

  • Donetzka Cercck Lavrak Alvarez says:
    29 de novembro de 2012 22:28

    É para ficar triste mesmo,Lu.

    Parece que estamos no início do século XX como fala a novela das 18 h da Globo.

    Samba era coisa de negro.Um preconceito absurdo que terminou e agora esse tal quer parar com o samba logo na Bahia!

    Ótimo post para informação,amigo.

    Coloquei seu blog em favoritos e recebo todas as suas atualizações.

    Linda semana.

    Bjs

    Donetzka



Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.