Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

23 de dezembro de 2012

Sabia que o Vizinho tem seu dia?

Imagem Google

23 de Dezembro dia do Vizinho

Conflitos, fofocas e mexericos são, geralmente, atitudes relacionadas a vizinhos.
Mas o papel dos vizinhos e a sua importância uns para os outros é muito maior que isso.
Os vizinhos podem virar grandes amigos, podem ajudar quando nos falta algo urgente em nossa casa e são vigilantes quando percebem algo de estranho acontecendo conosco.
Além disso, os vizinhos têm um papel muito importante nos bairros.
Através do vínculo de amizade e coletividade existente, os vizinhos se organizam para cuidar de seu reduto mais próximo: o setor em que moram.
São eles que reivindicam a coleta de lixo quando esta não esta sendo feita corretamente, eles que lutam por melhorias nos bairros e que buscam melhorar cada vez mais os bairros.
Conflitos sempre hão de existir, assim como em qualquer relação em que há um grande convívio.
Mas as pessoas que vivem em um mesmo bairro, isto é, os vizinhos, sempre terão uma grande importância no desenvolvimento e na manutenção de um bom ambiente nos bairros.

A palavra "vizinho" vem do latim vicinu, que significa "próximo, que mora perto, vicinal, da aldeia".
As pessoas que residem próximas a nós são chamadas de vizinhos. O ser humano sempre viveu em comunidades; por isso, sempre teve vizinhos, que às vezes são os melhores amigos e confidentes.
Nas pequenas cidades, a ligação com os vizinhos é mais forte do que com os próprios parentes. Assim, é normal os vizinhos serem compadres e ou se casarem.
Nas grandes metrópoles como São Paulo, as pessoas são anônimas e no cotidiano têm receio e mesmo medo de estreitarem relações. Ao contrário das que moram no interior, chegam a passar meses ou anos sem estabelecerem contato com os vizinhos.
Alguns nem se conhecem. Nos edifícios, os condôminos se isolam em seus apartamentos. Parece que ninguém quer perturbar o vizinho, violar sua intimidade, evitando uma aproximação social saudável.
Por outro lado, nada é mais irritante que um vizinho barulhento, inconveniente e "invasor". Isso gera muitas discussões entre os moradores da mesma rua e dos condomínios. A melhor atitude é usar a diplomacia.
Uma conversa tranquila e ponderada com o vizinho muitas vezes gera uma boa amizade, porque a política da boa vizinhança sempre ganha. Um relacionamento amigável com o vizinho é importante e sensato, visto que, numa emergência, é com ele que se pode contar.
É preciso, portanto, que haja respeito mútuo, para que exista harmonia entre os vizinhos, observando-se os direitos e as obrigações.

Como ser um bom vizinho em 10 lições

Um cachorro que late alto demais, o carro ocupando mais de uma vaga na garagem, salto alto atrapalhando quem mora no andar de baixo. Quem mora em condomínios convive diariamente com situações que, quando o equilíbrio e a paciência não estão em dia, podem acabar em muita discussão entre vizinhos.
Como se comporta, então, um bom vizinho? Será que é possível estabelecer uma lista com características ideais? Fomos às ruas responder essas perguntas. Moradores e síndicos apontaram características que o bom vizinho deve ter e uma consultora em comportamento mostrou o que é - e o que não é - certo nessa lista.
As moradoras de condomínio Elenir, Leia e Denise apontam a lista do bom vizinho
Como ser um bom vizinho em dez lições
1 - Estar por dentro dos deveres como condômino;
2 - Participar ativamente das decisões e também das comemorações, convivendo em grupo;
3 - Saber ser brincalhão nas horas certas e sério quando preciso;
4 - Se colocar no lugar do outro morador;
5 - Ajudar o vizinho, pois é o parente mais próximo;
6 - Respeitar as regras que são para todos. O direito de um começa quando termina o do outro;
7 - Não se importar se eu colocar meu carro na garagem dele uma vez ou outra;
8 - Manter o portão do prédio fechado o tempo todo;
9 - Ter amizade e discrição; e
10 - Manter o som em altura que não atrapalhe
Os primeiros três itens do manual do bom vizinho foram sugeridos por Elenir Almeida Dias, de 56 anos. Ela é moradora e há um mês também está no cargo de subsíndica de um condomínio com cinco mil pessoas, em Coqueiral de Itaparica, Vila Velha. Elenir apontou: estar por dentro dos deveres como condômino, participar ativamente das decisões e também das comemorações, convivendo em grupo e saber ser brincalhão nas horas certas e sério quando preciso.
Na avaliação da cerimonialista e consultora de comportamento Luciana Almeida, "todo condomínio tem as suas regras e esse é o primeiro ponto que deve ser observado quando você vai morar lá. Independente das regras, você deve saber ter uma boa convivência. A maioria das pessoas tem restrição na hora de participar dos encontros. Então depois também não pode reclamar quando se sentir incomodado", explica.
Outras quatro características do perfil de um bom vizinho foram citadas por Denise Miranda Moreira. Ela já morou em condomínio por cerca de 20 anos. Denise listou: se colocar no lugar do outro morador, ajudar o vizinho como se fosse o parente mais próximo, respeitar as regras (o direito de um começa quando termina o do outro) e não se importar se eu colocar meu carro na garagem dele uma vez ou outra.
Para a consultora Luciana Almeida, a maioria dos pontos apresentados por Denise estão de acordo com o correto. Já a situação da vaga da garagem, deve ser reavaliada. "Se colocar no lugar do outro morador é importante. Assim fica mais fácil para que a gente visualize a postura ideal. Você ser solidário é sempre uma atitude muito positiva, e constrói relações com muito mais facilidade.
É fundamental que se respeite o limite entre o meu direito e o direito do outro. Mas você não pode chegar simplesmente chegar e estacionar o seu carro em uma garagem qualquer. O vizinho tem a sua vaga e deve respeitar a do outro", avaliou.
Os três últimos itens necessários para um bom vizinho foram sugeridos por Léia Maria Moreira, que mora no mesmo condomínio há 27 anos e acompanhou quase três décadas de novos vizinhos. Com tanto tempo de convivência com outros moradores do mesmo endereço, ela garante que o que dá mais raiva é quando o portão do edifício fica aberto.
Por este motivo, este foi o primeiro dos pontos que ela citou em um bom vizinho: manter o portão do prédio fechado o tempo todo, ter amizade e discrição e manter o som em altura que não atrapalhe.
"O bom senso é o que norteia as boas relações. Você ter bom senso já é 50% do caminho para conseguir uma boa convivência. Isso tem que ser o fundamento número um. É uma característica que todo mundo tem que tentar desenvolver cada dia mais. Em condomínios essa história de som, festas, é complicado. Às vezes o meu gosto musical e o volume que eu gosto, podem incomodar", explicou a consultora de comportamento.
Com exceção do carro na vaga do próximo, todos os outros pontos são relevantes na hora de estabelecer um perfil do bom vizinho, segundo Luciana Almeida. Ela avaliou como positiva a lista e disse que outros itens importantes ainda podem fazer parte das características de quem divide o mesmo espaço em um condomínio.
Mais gentileza, não se tornar íntimo demais e aprender com o próximo todos os dias é o melhor caminho para quem quer ter uma relação saudável sem transformar o condomínio num campo de batalha.


Fonte: UFGNet,  www.paulinas.org.br, gazetaonline.globo.com
E hoje temos muitos vizinhos que lidamos em quase todos os dias do ano que são virtuais, os vizinhos interativos e atá nisso temos que saber lidar com eles para não entrar em conflitos, pois eles são os que nos mantem em evidencias na mídia Internet. Desejamos a todos os nossos vizinhos próximos e virtuais um Feliz Natal e um Prospero Ano Novo.



8 comentários :

  • Wanderley Elian Lima says:
    23 de dezembro de 2012 04:34

    Oi Lu
    Sinceramente, meu relacionamento com vizinhos se limita e vagas conversas nos corredores do prédio, quando nos encontramos. Acho melhore assim para assegurar minha privacidade.
    Feliz Natal
    Abração

  • José María Souza Costa says:
    23 de dezembro de 2012 08:09

    Admiravel, Lu Cidreira.
    Essas temáticas raras, certamente somente o seu blogue para me presentear. Confesso que sempre tive com os meus vizinhos, um relacionamento e uma convivencia muito bem sadia. Recordo aqui, de uma vizinha que tenho, parede/parede, lá na minha cidade no interior do Maranhão. dona "Maria do seu Nelson", assim que a conhecemos na rua que moramos. Quando a minha mãe adoeceu, essa senhora transformou-se em irmã de toda a nossa familia. Pela noite, pelo dia, sempre nos apoiou. E quando aminha mãe, veio a falecer, ela foi um ponto de equilibrio para mim,e, os meus irmãos. Até hoje, mesmo eu cá, em sampa, sempre ligo para ela. Olha, esta matéria me fez lembrar dela. Lu Cidreira. Aproveito e lhe desejo um Santo Natal. Que o Deus Todo Poderoso, te comtemple com a sua felicidade. Sou leitor assídiuo, sou fã deste espaço. Um abraço.

  • Donetzka Cercck Lavrak Alvarez says:
    23 de dezembro de 2012 08:43

    EXCELENTE POST,LU.

    REALMENTE TEMOS QUE TER SEMPRE RESPEITO AO PRÓXIMO E A SUA PRIVACIDADE.


    UM NATAL E NOVO ANO DE PAZ,ALEGRIAS E SAÚDE.


    BJS

    DONETZKA

  • Tunin says:
    23 de dezembro de 2012 16:34

    A cordialidade e o respeito fazem toda a diferença.Assim sendo não dá lugar para maiores intimidades ou conflitos.
    Moro em um prédio onde as pessoas entram e saem do elevador sem se cumprimentarem.É o cúmulo da falta de educação.
    Muito legal a tua crônica. É o retrato da vida.
    Feliz natal!

  • nandarilha says:
    23 de dezembro de 2012 23:12

    Essa eu não sabia... hehehe! Vizinho pode ser bom ou nem tanto, só tenho pavor de vizinho que liga o som no volume máximo, isso com certeza me estressa.

  • José María Souza Costa says:
    24 de dezembro de 2012 05:56

    Com a aproximação do dia 25 de Dezembro, tempo de Natal, e, que é a maior das festas da Humanidade. As pessoas, em sua maioria, reúnem-se para comemorar e, muitas outras para agradecer. Sim, agradecer ao outro que lhe estendeu a mão, ao outro que compreendeu, ao outro que de uma forma ou de outra, prestou-lhe um auxílio, para a grandeza deste tempo que traduz-se no Dom da Vida.
    Eu, particularmente estou aqui. De uma maneira muito simples. Sem cartões, sem panetones, sem uvas. Mas, com uma Alma leve, ciente e consciente, que como ser humano, tenho feito um esforço enorme, para que seja emancipado ao o outro, o sentimento de Amizade, de Respeito, de Alegria e de Continuidade, para que o Ser Humano, torne-se cada vez mais qualitativo.
    É chegado o tempo de Natal, quero agradecer, por estarmos aqui, e, aproveito para desejar-lhe: Muita Saúde, que é o dom da alegria. Paz, e Equílibrio Espiritual. Sem estes, somos como os versos que vagam sem literatura.
    Que no Ano de 2013, estejamos juntos, e com Saúde, por que Jesus Cristo, é Senhor dos contentamentos.
    Feliz Natal, e, que este desejo estenda-se a cada um dos seus familiares.
    Um abraço.

  • Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz says:
    24 de dezembro de 2012 08:49

    Não tenho maiores contatos e intimidades com vizinhos ... sempre fui assim ... nada além de um Bom Dia e de um Boa Noite ...

    bjão e um Feliz Natal meus queridos Lu e Rita ...

  • Suzy says:
    24 de dezembro de 2012 11:32

    Amigo Lu e família,

    Desejo a todos um Feliz Natal, com muita Paz, Harmonia e Amor!

    Abraços (e um beijo especial para a minha querida Ritinha!) ;)

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.