Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

15 de janeiro de 2013

"Família é prato difícil de preparar"

Fotos e designe e montagem: Luiz Cidreira

Texto publicado pelo Blog amigo Pense Saúde
 
"O Arroz de Palma" de Francisco Azevedo


Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes.
Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo.
Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência.
Não é para qualquer um.
Os truques, os segredos, o imprevisível. Às vezes, dá até vontade de desistir.
Preferimos o desconforto do estômago vazio.
Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio.
Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite.
O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares.
Súbito, feito milagre, a família está servida.
Fulana sai a mais inteligente de todas.
Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.
Sicrano, quem diria? Solou, endureceu, murchou antes do tempo.
Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante.
Aquele o que surpreendeu e foi morar longe.
Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente.

E você? É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia.
Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais sentimental? A mais prestativa?
O que nunca quis nada com o trabalho?
Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo.
Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida.
Não há pressa. Eu espero.
Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados.
Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola.
Não se envergonhe de chorar. Família é prato que emociona.
E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.
Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco.
Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos
parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.
Atenção também com os pesos e as medidas.
Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre.
Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido.
Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher.
Saber meter a colher é verdadeira arte.
Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada. O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe “Família à Oswaldo Aranha", "Família à Rossini”, Família à “Belle Meunière” ou “Família ao Molho Pardo” em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, é “à Moda da Casa”. E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito. Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada, seriam assim um tipo de “Família Diet”, que você suporta só para manter a linha. Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir. Enfim, receita de família não se copia, se inventa. A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia- a -dia. A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança, principalmente na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.

Fonte: Pense Saúde

Republicando em tempos de férias.

13 comentários :

  • Sérgio Filho says:
    20 de janeiro de 2011 23:29

    Concordo em gênero, número e grau com o título.

    Aquele abraço Lu!

  • Guará Matos says:
    20 de janeiro de 2011 23:38

    Família é fogo, hehehehe!
    Bjs.

  • Blog da Fofa says:
    21 de janeiro de 2011 01:33

    Amei, amei e amei: Família é o prato principal, é a base de tudo. Acho que eu me encaixo na sentimental demais, rs , a mais chatinha. Mas amo minha família demais. Um grande beijooooo. Que bom que a Oi resolveu o problema, estava com saudades de passear por aqui

  • Wanderley Elian Lima says:
    21 de janeiro de 2011 08:53

    Oi Lu
    Família realmente é uma instituição muito complicada, mas apesar de tudo vale a pena.
    Abração

  • Maria Helena says:
    21 de janeiro de 2011 10:26

    Meu querido amigo, sabe que você não fica mais ausente mesmo que não comente no blog? Você já extrapolou! Já está presente sempre por ser uma pessoa marcante!
    Algumas pessoas são assim: elas chegam, comentam e deixam um rastro de delicadeza tão grande que se tornam inesquecíveis! Mesmo que nunca mais haja um encontro, o cheiro do bom sentimento ficou na lembrança.
    Amei o seu post sobre família. E você já faz parte da minha família, da blogosfera, por afinidade.
    Abraços!

  • Anne Lieri says:
    21 de janeiro de 2011 17:34

    Luiz,que beleza de cronica!Minha familia é a moda italiana,todos falam ao mesmo tempo,brigam muito,choram muito e se abraçam muito!Acho minha familia um presente,mesmo que de grego,algumas vezes...rsss...bjs,

  • Prof. Adinalzir says:
    21 de janeiro de 2011 20:14

    Família é assim mesmo, com altos e baixos. Mais é uma instituição fundamental!
    Abraços, :)

  • Tia Bláblá says:
    22 de janeiro de 2011 09:10

    Família é "mara" e fundamental...mais é fogo viu?! Kd um com sua família...kkkk....um chêro, e tava com saudades viu?!

  • Dra. Denise says:
    23 de janeiro de 2011 14:47

    Família é espelho, é onde enxergamos nossas sombras e onde devemos aprender, crescer...para levar o melhor que saboreamos lá, para a GRANDE FAMÌLIA, desafio maior, chamada HUMANIDADE.
    Obrigada, Lu!

  • rabiscosdomane@gmail.com says:
    15 de janeiro de 2013 07:09

    Muito boa a analogia. E o que seria de cada um de nós sem uma família?

  • Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz says:
    15 de janeiro de 2013 12:00

    Lu! Arroz de Palma é um dos melhores livros q já li na vida ... terminei a pouco ... livro para ficar na cabeceira e reler, reler, reler ...

    Voltei das férias ... saudades

    bjão

  • Marcos Mariano says:
    16 de janeiro de 2013 17:58

    Oi meu amigo Lu, estou de volta. Eu simplesmente curti de mais esse texto, principalmente pq todos nós vivemos um pouco disso, família é isso meso, cada uma tem o seu ingrediente especifico, seu gosto, seu jeito de preparar. Achei sensacional comparar um reunião familiar com um receita culinária que requer seu preparo próprio para dar certo. Grande lição podemos tirar desta analogia.

    Muito bom

  • Antonio Lopes says:
    16 de janeiro de 2013 21:31

    Muito interessante,nunca tinha imaginado família assim:realmente cada um é um prato,alguns realmente indigestos..Muito bom vir ao seu blog..Abração

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.