Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

26 de novembro de 2013

Intuição


Não é preciso ser mágico, médium ou ter poderes sobrenaturais para ter intuições.
Prestar a atenção nas coisas, aprender a aceitar os registros inconscientes, procurar desenvolver a criatividade e estar com a mente relaxada já são ferramentas mais do que suficientes para que você consiga se beneficiar com esta característica humana:a capacidade de intuir.
Sabe aquele insight que, de repente, ilumina uma difícil decisão ou aquela sensação de que "alguma coisa lhe diz" para agir desta ou daquela maneira? Pois é, estas são provavelmente manifestações da sua Intuição . E, se você aprender a lidar com elas, isso pode realmente facilitar sua vida.
A Intuição sempre intrigou os pensadores e estudiosos.
Platão, o filósofo grego que viveu aproximadamente entre 428 e 347 a.C., afirmava existirem três formas de conhecimento:crença, opinião, raciocínio e Intuição .
Já no século 20, mais especificamente no ano de 1921, o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, num livro chamado ‘Tipos psicológicos’, registrou os avanços importantes sobre o polêmico e intrigante assunto.
Nele, Jung se refere a quatro atividades mentais:sentimento, pensamento, sensação e Intuição . Para Jung, longe de ser uma característica "irracional", a Intuição é uma função de juízo, tanto quanto o pensamento e, ao contrário, da sensação e do sentimento.
A psicanalista Priscila Gaspar explica o que é e qual é a melhor forma de lidar com sua Intuição .

O que é Intuição ?

A palavra Intuição vem do latim “intuire”, que significa "ver por dentro". No entanto, o conceito de Intuição varia um pouco conforme a linha de pensamento.
Para Jung, a Intuição é uma capacidade interior de perceber possibilidades, enquanto que o filósofo Emerson a considera uma sabedoria interior que se expressa por si própria.
Kant vê a Intuição como o conhecimento que se relaciona imediatamente com os objetos, ou seja, que mostra realidades singulares e que não depende da abstração, ou seja, é aquilo que se sabe, sem precisar deduzir para concluir.
Kaplan diz que a Intuição é, provavelmente, uma condensação de uma ou mais linhas de pensamento racional num único momento no qual a mente reúne rapidamente uma gama de conhecimentos e passa para a conclusão, que é a parte do processo que ele recorda.
Muitas vezes, a Intuição condensa anos de experiência e de aprendizado num clarão instantâneo.

O poder dos insights

Quando nos remetemos ao conceito de Kaplan, a Intuição passa a ser algo que nos é revelado num certo momento, por insight. Isso implica em um processo, que inclui raciocínios anteriormente elaborados e com sequência lógica. Como esse processo se passa de forma inconsciente, temos a impressão de que é atemporal, quando na verdade trata-se apenas da conclusão súbita de algo que já estava sendo elaborado.
A ciência positivista só permite avaliar os dados observados objetivamente e a Intuição , por ser um processo eminentemente interno, não pode ser estudada pelo método científico convencional. Seria tema, portanto, da Filosofia. No entanto, o fato de não poder ser estudada pela Ciência não significa que não seja aceita pelos cientistas. Ao contrário, são muitas as histórias a respeito de teorias científicas que se iniciaram a partir de uma Intuição , para, num segundo momento, serem testadas pelo método científico. Encontramos vários exemplos em livros que tratam de história da ciência e também em algumas publicações de Filosofia.

Será que a Intuição aponta sempre para o caminho certo?

A Intuição pressupõe uma condensação de conhecimentos e raciocínios lógicos, que são revelados de forma súbita. No entanto, mesmo tendo fundamento lógico, não quer dizer que esteja sempre certa.
Jung dizia que a Intuição é uma forma de se prever possibilidades. Por maior que seja a possibilidade de algo ocorrer, ainda assim, existe a possibilidade de não ocorrer.
Muitas pessoas se arrependem, por vezes, de não terem seguido sua Intuição em determinados momentos da vida. Porém, o arrependimento é fruto de um resultado insatisfatório. Será que se o resultado fosse satisfatório elas se lembrariam de que não seguiram a Intuição , admitindo para si mesmas que a Intuição estava errada?
Por condensar uma série de conhecimentos, a Intuição tem grande probabilidade de estar certa, mas isso não significa que estará sempre certa! E, atenção ainda maior deve ser prestada para evitar confundir Intuição com medos, pressentimentos e até mesmo superstições.
Cuidado, seus medos e preconceitos podem contaminar sua Intuição
É necessário considerar as diferenças entre Intuição , insight, pressentimento e presságio. Enquanto que, para Jung, a Intuição é uma capacidade de prever possibilidades, insight é a forma pela qual a Intuição é revelada, ou seja, a súbita tomada de consciência do conhecimento intuitivo. O pressentimento seria uma impressão ou sentimento de que um fato irá ocorrer. Já o presságio é um fato a partir do qual se supõe que ocorrerá um evento não relacionado a ele, ou seja, o que se costuma chamar de sinal.
Você pode, por exemplo, avaliar consciente ou inconscientemente que o tempo está ruim, perceber que há certa confusão no aeroporto, desorganização e apreensão por parte das pessoas que lá trabalham, de forma a intuir que existe maior possibilidade de que ocorra um acidente. No entanto, é apenas um conhecimento interno sobre possibilidades, não significa que um acidente irá ocorrer. Isso, aliado ao seu medo, pode ser interpretado como um pressentimento.
Se ocorrer algo diferente, por exemplo, um atraso, você derrubar café na roupa ou algo assim e isso é interpretado como um sinal de que você não deve viajar, então trata-se de presságio. Um presságio, ao contrário da Intuição , não tem nenhum fundamento lógico e se baseia mais em medos e superstições do que em conhecimentos anteriores.
Saindo do campo racional, podemos também incluir a possibilidade de se adquirir conhecimento a partir do inconsciente coletivo, trazer conhecimento de vidas passadas e também a questão da transmissão mediúnica, ou seja, a partir de entidades espirituais. Infelizmente, não temos como saber se essas intuições provêm realmente desses meios ou se consistem em criações mentais da própria pessoa, do próprio inconsciente.

Aprenda a provocar sua Intuição

Primeiro é importante lembrar que mesmo os cientistas mais cartesianos usam a Intuição e um enorme potencial criativo. A parte de observação objetiva e racional da pesquisa ocorre após a elaboração de um problema ou teoria, que geralmente nasceu de umaIntuição .
De um modo geral, as pessoas criativas são mais intuitivas e têm facilidade de entrar em contato com as emoções e com a imaginação. Processam rapidamente as informações, relacionando automaticamente as experiências passadas às informações importantes e ao momento presente.
Muitas vezes a educação formal bloqueia a manifestação do lado intuitivo/subjetivo do sujeito porque na escola convencional, na qual uma autoridade transmite o saber, valoriza-se muito mais a parte racional/objetiva. A princípio poderíamos pensar que essas duas partes são opostas e que teríamos de optar por uma delas.
No entanto, observamos que ambas as partes são necessárias e que se complementam. O que devemos evitar é o bloqueio dessa parte intuitiva e criativa, que é interna e subjetiva.
Para desenvolver a Intuição , algumas medidas são necessárias.
Leia, aprenda, alimente sua curiosidade.
A Intuição é uma condensação de conhecimentos anteriores, assim é fundamental aumentar a quantidade de conhecimento por meio de leituras diversas e das mais variadas formas de aprendizagem. Assuntos e experiências diferentes possibilitam aumentar as possíveis linhas de raciocínio que culminam na Intuição . Entenda-se por experiência tudo o que é vivido e observado, tanto dentro como fora de si mesmo.

Conheça-se a si mesmo

Outro ponto importante é aprender a diferenciar o que é uma experiência objetiva de uma subjetiva. Uma experiência objetiva é aquela que pode ser compartilhada por outras pessoas, como por exemplo, observar um objeto e descrevê-lo (forma, cor, tamanho etc.). A experiência subjetiva depende de valores, crenças e afetos do observador, por exemplo, se o objeto observado é feio ou bonito, se provoca sentimentos agradáveis ou desagradáveis, se faz lembrar de outro objeto ou de um fato etc. Para isso, entrar em contato com seu mundo subjetivo é essencial. A psicanálise é uma das técnicas que permite esse tipo de autoconhecimento, estimula o imaginário, bem como as associações e a percepção interna.

Dê asas à sua imaginação

Também estimulamos a Intuição e a criatividade por meio da observação e da expressão artística. Ouvir música, prestando atenção às emoções que ela nos provoca, assim como ir a museus e exposições são excelentes formas para iniciarmos o desbloqueio da Intuição . Num segundo momento pode-se partir para a expressão artística, cantando, tocando instrumentos, pintando etc.
A vantagem de provocar a Intuição é que com algum exercício e um certo treino você pode favorecer muitos insights e permitir que o conhecimento intuitivo aflore, aumentando assim seu potencial criativo.
Fonte: delas.ig.com.br
Imagem: Google, meramente ilustrativa.

6 comentários :

  • Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz says:
    26 de novembro de 2013 12:14

    tenho uma intuição aguçada e sempre a considero qdo tenho q tomar decisões importantes na vida ...

  • Beth Muniz says:
    26 de novembro de 2013 15:17

    Excelente artigo.
    Verdadeira esta afirmação: 'Cuidado, seus medos e preconceitos podem contaminar sua Intuição'.
    Pode sim Lu. Uma atitude preconceituosa pode atrofiar o cérebro e turvar a visão.
    Um abração.
    Não trabalhe muito... rsrs

  • Patricia Galis says:
    26 de novembro de 2013 16:14

    Que delicia de post gosto de assuntos assim, e por seguir minha intuição já me salvei de cada coisa que só Deus.

  • Luma Rosa says:
    26 de novembro de 2013 21:53

    Oi, Lu!
    Muito cuidado nessa hora!! Nem sempre a nossa intuição é correta pois somos manipulados pelo nosso inconsciente!
    Muitas coisas se definem sozinhas e não precisamos meter o bedelho no caminhar dos fatos. As mães são mestras na arte de intuir e dizer a frase que ninguém gosta de ouvir "Eu te avisei". :D
    Beijus,

  • Sandra Veneziani says:
    27 de novembro de 2013 21:44

    Olá, vim visitar teu cantinho e te oferecer: o o cartão de Natal do Toque, o cartão de 700 seguidores.Te agradecer por fazer parte desta historia encantadora.
    Com o meu toque de carinho e amizade-San

  • Adriana Paz says:
    27 de novembro de 2013 23:03

    Adorei o post,Lu.

    Tenho intuições e insights sempre.

    Quase sempre corretas.Bom saber mais de como lidar com isso.

    Ótima noite,amigo.


    Abraços e apareça!

    Dryka




    Blog Suas Histórias Nossas Histórias

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.