Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

18 de março de 2014

Dia internacional da síndrome de Down

21 de Março

O dia 21 de março é uma data importante: é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down.
Será que você tem algum amigo com Síndrome de Down? Já parou para pensar no que é isso?
A Síndrome de Down é um acontecimento genético natural e universal. Isso quer dizer que a síndrome não é resultado da ação ou do descuido de mães ou pais, como muitos pensam. E nem é uma doença. Ela é causada por um erro na divisão das células durante a formação do bebê (ainda feto).
Só para você ter uma ideia, de cada 700 bebês que nascem, UM tem Síndrome de Down. Por isso, qualquer mulher, independente da raça ou classe social pode ter um bebê Down. Até hoje, a ciência ainda não descobriu os motivos que provocam essa alteração genética, portanto não há como evitar.
Genética
Mas mesmo sabendo que existem semelhanças entre as pessoas com Down, não há exames que determinem, no nascimento, como a pessoa (criança, depois adolescente e adulto) vai evoluir durante a sua vida. Mas hoje, com as descobertas da medicina, sabe-se que para a criança down desenvolver todo seu potencial é importante que, desde cedo, seja amada e estimulada pelos pais, irmãos e profissionais habilitados.
A alteração genética das crianças com Down faz com que todas elas sejam muito parecidas e tenham as seguintes características:
1 - hipotonia (flacidez muscular, o bebê é mais molinho);
2 - comprometimento intelectual (a pessoa aprende mais devagar);
3 - aparência física (uma das características físicas são os olhinhos puxados).
Aceitar as diferenças
Atualmente, a Síndrome de Down é mais conhecida, o que permite mais qualidade de vida, melhores chances e desenvolvimento para os portadores. Mas, infelizmente, esse avanço ainda não foi suficiente para acabar com um dos principais obstáculos que as pessoas com Down enfrentam: o preconceito.
O fim da exclusão
Já houve várias novelas e filmes que mostraram que os portadores da síndrome podem ter uma vida normal, embora necessitem de cuidados. Há alguns anos, a novela "Páginas da Vida" mostrou a menina Clara, uma criança com Síndrome de Down. Até alguns anos atrás, poucos sabiam que quem possui a síndrome é capaz de trabalhar e até de atuar como fez a atriz mirim Joana Mocarzel, que representou a Clara.
Sabia que existem ações para diminuir a exclusão social da pessoa com Down?
Confira quais são:
a transmissão das informações corretas sobre o que é a síndrome;
o convívio social;
a garantia de espaço para participar de programas voltados ao lazer, à recreação, ao turismo e à cultura;
capacitação de profissionais de Recursos Humanos para avaliar adequadamente pessoas com Síndrome de Down, entre outras.
A data
O dia 21 de março foi escolhido pela associação "Down Syndrome International" para ser o Dia Internacional da Síndrome de Down em referência ao erro genético que a provoca. Todo mundo tem 23 pares de cromossomos.
Quem tem Down tem três cromossomos no par de número 21 (daí a data 21/03).

a Federação Brasileira das Associações da Síndrome de Down, Claudia Grabois a discriminação ainda é um dos principais obstáculos para as pessoas com a deficiência. “Precisamos criminalizar a discriminação. A falta de acessibilidade é discriminação”.
De acordo com o censo demográfico de 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 300 mil pessoas nasceram com a síndrome no país e 14,5% da população brasileira, cerca de 26 milhões de pessoas, têm alguma deficiência física ou mental.

Juliana Ramos foi uma das participantes da sessão solene em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down na Câmara
Segundo Cláudia, as pessoas com deficiência sempre foram renegadas a invisibilidade social e para romper com esta condição é fundamental que elas estudem, trabalhem e tenham vida social. “Houve avanços, mas no Brasil ainda há muitas pessoas que não tem acesso à educação e ao trabalho. Queremos que estas pessoas assumam seu papel na sociedade”.
O judoca, carioca, Breno Viola, de 30 anos, é uma das pessoas que quer conquistar seus direitos. “Precisamos mostrar o talento das pessoas com deficiência. Chega! A gente precisa acabar com este preconceito. A legislação brasileira tem que sair do papel. Todo o deficiente merece estar em escola pública e ser cidadão”.
O professor de educação física, Humberto Suassuna, de 30 anos, também tem síndrome de down. Ele é personal trainer e dá aula de natação em Recife, mas garante que o preconceito é grande. “O acesso ao mercado de trabalho ainda é difícil para quem tem síndrome de down”, relata.
O mesmo ocorre com Jéssica Mendes Figueiredo, de 18 anos. Ela é estudante do 3º ano do ensino médio, em Brasília, e também tem ambições profissionais. No final do ano, fará vestibular para artes cênicas. “Meu sonho é trabalhar como atriz. Sempre sonhei em ter esta profissão”, conta.
O Brasil ratificou a Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos de pessoas com deficiência em 2009. O compromisso do país é o de implantar um sistema educacional inclusivo.
Segundo a Secretária de Educação Especial, do Ministério da Educação (MEC), Cláudia Pereira Dutra, o ministério vem eliminando o processo histórico de exclusão. “Nossas principais políticas são no âmbito da acessibilidade como a adequação arquitetônica dos prédios escolares, formação especial para docentes e a implantação de sala de recursos multifuncionais como computadores e jogos pedagógicos para ensino de libras e braile”.
Fonte: www.meionorte.com,   www.redebrasilatual.com.br

6 comentários :

  • Tunin says:
    18 de março de 2014 09:17

    Uma matéria excelente, Lú. As pessoas precisam conhecer mais sobre a síndrome de Down e passar mais amor para essa pessoas que não tiveram culpa de nascer assim. Lembro-me que quando criança, na minha rua existia uma criança dessas e ela era discriminada, chamada de doida e os ignorantes pensavam que aquela síndrome poderia pegar. Eu ficava indignado com aquilo. Hoje, graças a Deus, o olhar é outro.
    Abração.

  • Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz says:
    18 de março de 2014 10:42

    Parabéns a esta turminha super especial ...

  • Beth Muniz says:
    18 de março de 2014 16:08

    Bem lembrado!
    Manter viva esta chama é fundamental e necessário.
    Valeu Lu!

  • Maria de Lourdes says:
    19 de março de 2014 00:00

    Bela postagem Lu! Obrigada por lembrar! abraços

  • Beth Muniz says:
    19 de março de 2014 15:47

    Voltei para compartilhar e indicar.

    Desculpe-me se não o fiz antes.

    Uma falha...

    Corrigida. rsrs

    Beijão Lu.

  • Felisberto Junior says:
    20 de março de 2014 23:53

    Olá,Lu,
    Parabéns pela esclarecedora postagem e pelo compartilhamento. É importante que todos conheçam e ajudem a divulgar cada vez mais o potencial gigantescos dos portadores da sindrome, pois como escrito, é importante que, desde cedo, seja amada e estimulada pelos pais, irmãos e profissionais habilitados..... hoje, com as descobertas da medicina, espera-se que a criança down tenha uma vida digna, capacitada e um exemplo de superação diária...ah sim,gostei de saber na matéria, porque dia 21 de março... é escrito 21/3, o que faz alusão à trissomia do cromossomo 21, e que urge um sistema educacional inclusivo...muito bom!
    Obrigado pelo carinho, bela noite, belo dia,abraços!

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.