Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

2 de março de 2014

Fossa demora cerca de dois anos para passar




As pessoas levam, em média, dois anos para sair de vez da fossa
Este blog curte apontar conselhos errados que as pessoas dão, mas o post de hoje é sobre um que, apesar de às vezes odiarmos ouvir, está certíssimo, segundo especialistas: o tempo cura tudo. Tá, não é um conselho, mas geralmente vem acompanhado de um “calma, cara”, o que, a partir de agora, podemos tomar como um conselho muito sábio.

O Wall Street Journal entrevistou psicólogos, psiquiatras e outros pesquisadores e chegou à conclusão, neste texto, de que o tempo médio para a maioria das pessoas se recuperarem de um trauma emocional como o fim de um relacionamento ou a perda de um emprego é de 730 dias (ou dois anos). E, se essa perda foi completamente inesperada, o tempo pode ser até maior.

Dois anos. Pode parecer um tempo longo demais, especialmente para quem acabou de sofrer o baque. Mas, como diz o texto, é bom saber quanto essa crise emocional vai durar porque, uma vez superado o choque de descobrir que será um processo longo, você pode relaxar e parar de se sentir pressionado para ficar bem. É libertador saber que você não é um oTÁrIO por estar sofrendo por um tempo maior do que gostaria (ou maior do que seus amigos gostariam de aturar). E parar de ser duro consigo mesmo é uma das coisas mais importantes ao lidar com crises.

Isso derruba aquele mito bizarro de que as pessoas levam metade do tempo que durou o relacionamento para superar o seu fim. Não se sinta culpado se você está sofrendo há seis meses pelo fim de um namoro que durou seis semanas. “É perfeitamente normal, dizem os especialistas, se sentir deprimido, ansioso e distraído durante esse tempo – ou em outras palavras, estar uma bagunça emocional. (Mas superar a morte de uma pessoa amada é mais complicado e geralmente leva mais que dois anos).”, diz o texto. A “bagunça emocional” inclui a crise de identidade que geralmente acompanha esse período de choque e recuperação. Não significa que você vai passar dois anos chorando numa mesa de bar ou tomando sorvete enquanto assiste a filmes ruins no Netflix. Significa que é um período em que você começa a se reavaliar e se adaptar a rotina e planos novos, o que não é nada fácil.

Ok, mas o que fazer até lá? Os especialistas aconselham: evite mudanças drásticas e permanentes, tipo largar tudo e mudar de cidade ou fazer uma tatuagem (especialmente fazer uma tatuagem). E não é uma boa hora para tentar começar um relacionamento novo. Ignorar o processo, negá-lo ou apressá-lo só vai adiar uma crise que vai chegar de qualquer jeito. Terapia pode ajudar. E estabelecer novas metas é essencial. Ainda é janeiro e o carnaval está longe pra gente poder dizer que o ano já começou de verdade, então dá tempo de fazer (e começar logo a cumprir, é claro) umas resoluções realistas que te ajudem a fazer de 2014 um ano legendary apesar da fossa (li em algum lugar que “legendary” devia ficar em 2013, mas ainda é janeiro e o carnaval está longe etc.). 

Por:  maisbrasilia.com
Fonte: Superinteressante

7 comentários :

  • Ronilda David Loubah Sofia says:
    2 de março de 2014 02:45

    Bom dia Lu, é muito importante que as pessoas tomem conhecimento e nota dessa tua matéria,pois com certeza,ajudará por demais elas ter uma consciência que apesar de doer terrivelmente,apesar da sensação impotente de vazio e derrota, o tempo vai cura-las.

    É certo que ficam as cicatrizes, mas quem as não tem?

    Costumo dizer que:

    Nossas cicatrizes, são nossas tatuagens intimas, a qual define nosso mapa ma caminhada da vida.

    Elas, são os lembretes de onde erramos para tentarmos, não cair no mesmo abismo, lembretes para que mantenhamos activo a consciência do quão somos fortes e capazes de superarmos a nós mesmos.

    Basta ter paciência e querer lutar para vencer, mas querer com todo ímpeto d'alma.

    Que levem lá seus dois anos,quatro,cinco,não interessa!

    O importante, é que vai passar e depois é contar a vitória com a voz merecida da experiência.

    Como sempre vir aqui é um prazer e um acréscimo valioso ao acervo dos meus conhecimentos.

    Grata,desejo-te um domingo de paz juntamente com os teus.

  • Ronilda David Loubah Sofia says:
    2 de março de 2014 03:00

    Por hoje dois votos no Top100, meu e do Fernando, minhas meninas e a Equipa R.O vão vir votar também,enviarei um e-mail a todos.

    Até Lu, sucesso!

  • Olinda Melo says:
    2 de março de 2014 06:57


    Bom dia, Lu Cidreira

    Tenho ouvido falar de pessoas que, realmente, ficam deprimidas durante muito tempo por causa de uma desilusão.
    É importante saberem que isso acontece a muita gente.

    Também é verdade que o tempo que demora a superação depende da pessoa, conforme a sua maneira de ver a vida e de ultrapassar os desaires.

    Um tema muito interessante. A depressão é uma doença que custa a passar.

    Abraço

  • Dorli says:
    2 de março de 2014 17:20

    Oi Lu,
    Não podemos generalizar, às vezes a fossa dura menos de quatro meses se a pessoa logo arrumar outro e seguir sua vida até à sua morte.
    Mas esquecer uma pessoa que se quer muito só a morte poderá fazer.
    Eu só me lembro da minha vida aos cinco anos, antes disso eu não existi, apagou da minha mente. O medico quis fazer uma regressão e eu não quis. Nasci aos 5 anos, isso quer dizer que sou mais jovem.kkk
    Não podemos levar a vida muito a sério senão piramos de vez.
    Vamos viver e viver.
    Beijos
    Explica pra mim por e-mail, como é essa nova votação.
    Lua Singular

  • Maria de Lourdes says:
    3 de março de 2014 21:50

    Olá Lu! quando a pessoa quer se curar da fossa, ela consegue sim desde que invista em si mesma, que tenha força de vontade. Não adianta fugir, mudar de cidade, arrumar outro pra curar a fossa porque no estado em que se encontra só atrairá "zicas". Na verdade cada pessoa reage de acordo com a sua estrutura emocional. Algumas não suportam, adoecem, não sabem como sair da fossa. Outras fazem questão de permanecer nas lembranças. outras porem buscam o equilibrio mental e psicologico no sentido de ajudarem a si mesmas a se libertarem. Por isso é muito importante que se aprenda a não criar dependencia emocional para não ter que vivenciar a dor da perda que se chama fossa. Abraços

  • João Vicente Petinelli Carvalho says:
    8 de março de 2014 11:01

    Olá Lú,
    Sempre tive a máxima de que o tempo cura as dores... Qualquer fim de relacionamento não é bom, indica ruptura... e romper com algo na nossa vida sempre é difícil...
    Mas como disse, o tempo cura as dores... as cicatrizes, quem não as tem?

    abraços

  • Cris Henriques says:
    29 de março de 2014 15:59

    Olá Lu!

    Tudo bem?
    Antes demais, dou-te os parabéns pelo conteúdo do teu blog. É muito útil a nível público, contém boas informações.
    É certo que é a primeira vez que visito o teu blog, mas como sou uma pessoa frontal e sincera, ponho já as cartas na mesa e asseguro-te que voltarei. ;) Adicionei-me como Seguidora do blog e também pelo G+.

    Em relação à matéria sobre o tempo que leva a ultrapassar uma crise emocional, penso que os psicólogos podem estar certos. Lembro-me que no meu caso, tem sido mais ou menos esse tempo que tenho demorado para me recuperar.

    Abraços,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.