Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

9 de dezembro de 2014

O dia é de alegria Viva os Palhaços em seu dia

10 de Dezembro dia universal do Palhaço

A origem do palhaço perde-se no tempo, mas é quase que certo que tenha surgido através dos povos nômades (ciganos) há milhares de anos.
Na China, por exemplo, pinturas de 5.000 anos mostram algumas figuras como acrobatas de roupa excêntrica. Por volta do ano 2.500 antes de Cristo, no Egito, a figura do bobo da corte já divertia os faraós, isso na Dinastia do Faraó Dadkeri-Assi.

Provavelmente na Europa, aconteceu a fusão do bobo da corte com elementos do teatro. A Comédia Del Arte que nasceu na Itália passou a utilizar o modelo do bobo da corte, fazendo surgir o palhaço como conhecemos hoje, com roupas largas, sapatos exageradamente grandes, máscaras divertidas e um jeitão atrapalhado.

Algumas das cenas muito comuns são aquelas em que vários palhaços saem de um carro pequeno, ou ainda quando golpeiam outropalhaço com frango de borracha. Também jogam água no público, e promovem interação com as crianças, através de mímica e jograis.
Eles estão lá, também a postos para acalmarem a multidão, caso algo tenha dado errado em uma determinada atração ou a falta dela.

Palhaços do Brasil

Entre os maiores palhaços que já divertiram o povo brasileiro eternizou-se a marca de Waldemar Seyssel, o conhecido Palhaço Arrelia com sua frase famosa:

"Como vai, como vai, como vai, vai, vai"?,
enquanto as crianças respondiam:
"Muito bem, muito bem, muito bem, bem, bem".
Arrelia tinha uma boa estatura e era desengonçado, sempre querendo falar difícil, mas falando errado.
Outro dos mais famosos era o Palhaço Piolim. Seu nome era Abelardo Pinto, nascido em Ribeirão Preto, em 27 de março de 1897. Usava uma jaqueta enorme, maior do que o seu tamanho e vestia-se de forma extravagante, além de usar sapatos nº 84, bico largo e a bengala esquisita igual anzol.  
Também de família circense, George Savalla Gomes, nasceu no dia 18 de julho de 1915, na cidade de Rio Bonito e ficou conhecido como palhaço Carequinha, talvez um dos mais famosos por ter gravado diversos discos. Seu avô era dono do Circo Peruano.
Apesar do pouco tempo que lhe sobrava e das muitas viagens pelo Brasil, Carequinha chegou a estudar até o 3º ano de Direito.
 Manfried Sant´anna nasceu em Niterói, no Rio de Janeiro, em 29 de abril de 1936. É de  família cigana, e ficou famoso ao fazer parte do elenco de "Os Trapalhões" como o Dedé, sendo um palhaço moderno, sem maquiagem.  Sua família era toda de circo e Dedé foi criado nos picadeiros. Dedé foi casado com a atriz Ana Rosa, de origem cigana com quem teve a filha Maria Leoni.
 Vale lembrar ainda a luta da família Queirolo no tempo em que o circo ainda engatinhava no Brasil e onde se destacaram José Queirolo, proprietário do Circo América do Sul. Eles chegaram ao Rio Grande do Sul em 1910, na localidade de Santana do Livramento. De sua família surgiram os palhaços  Chic-Chic (Otelo Queirolo), Harrys (Julio Queirolo), Chicharrão (Jose Carlos Queirolo), Torresmo (Brasil Jose Carlos Queirolo).
Também merecem menção dois outros famosos artistas do "teatro do povo", que são, o sobrinho de Arrelia, Palhaço Pimentinha (Walter Seyssel) e Picolino (Roger Avanzi), além do importado palhaço Bozo (criado em 1946 nos Estados Unidos), que foi lançado no Brasil em 1954 e incorporado pelo humorista José Wasconcelos.

O mundo dos palhaços

Interessante ressaltar alguns costumes entre os palhaços, que geralmente não desejam boa sorte aos outros, pois isso é considerado azar ou "olho gordo". Assim, a exemplo dos atores de teatro, um palhaço quando entra no picadeiro, recebe de outro palhaçoexpressões como "merda" ,"quebre a perna", "dane-se", etc.
Poeta da mímica que faz brotar o riso infantil, talvez tenha obtido a fama de "ladrão de mulher" devido ao seu humor de menino extravagante. Elas, por sua natureza sensível e protetora, afeiçoam-se aos palhaços porque ao mostrarem-se ingênuos e desastrados e passando por motivo de gargalhadas, provavelmente eles transmitem a imagem de personagens desprotegidos e sozinhos. Muitas vezes, isso não está fora da realidade.
Não obstante suas dores e perdas, palhaço não pode nem chorar, já que o público espera por sua alegria e bom humor, anseia pela vivacidade e brilho nos olhos, precisa de um lenitivo para esquecer os males do mundo. As crianças lotam os circos e querem ver aquele querido e estranho ser de nariz vermelho, querem rir com os tropeços, tombos, cambalhotas, tudo o que há de mais conhecido no humor pastelão.
Hoje os palhaços estão por todos os lugares, tentando preencher a grande lacuna de bom humor que aflige uma vida social cada vez mais fria em seus sentimentos. As pessoas vivem tensas, sem sorriso, à mercê dos males físicos e espirituais. Palhaços de hoje nem sempre usam maquiagem ou indumentária colorida e são encontrados nos filmes e em seriados de televisão, atuando como comediantes
Os palhaços podem estar nos asilos e hospitais, ajudando na recuperação de enfermos. Está confirmado na sociedade médica que pacientes que recebem essa terapia do riso apresentam restabelecimento em um processo muito mais veloz.  
Mas pode ser que você o encontre lá nas esquinas, ajudando o trânsito, nos cruzamentos. Ou nos orfanatos onde as crianças sem família esperam por um pouco de carinho, afinal, elas precisam reescrever suas histórias e fazer abrir as portas de um futuro diferente.
Há quem diga que a melhor representação da vida de um palhaço foi cantada por Vanusa nos anos 80, através da música "Sonhos de um palhaço".
"Ah, o mundo sempre foi
Um circo sem igual
Onde todos representam bem ou mal
Onde a farsa de um palhaço é natural"
Fonte: www.agoravale.com.br

4 comentários :

  • Beth Muniz says:
    10 de dezembro de 2014 08:12

    Vai, vai, vai...
    Começar a brincadeira...
    Viva!
    Somos todos um pouquinho palhaço, no bom sentido!
    Valeu Lu.

  • Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz says:
    10 de dezembro de 2014 08:22

    Vivas e mais vivas a estes profissionais da alegria ... triste é ver q nos dias de hoje, existam tantos falsos palhaços na vida pública a nos fazer chorar ...

    Beijão

  • Maria de Lourdes says:
    10 de dezembro de 2014 10:47

    Que linda postagem Lu! Os mensageiros do riso, cuja missão é a de nos transportar para um mundo onde não existe sentimentos de maldade e de tristezas.
    Parabens pelo artigo!
    Abraços

  • Wanderley Elian Lima says:
    11 de dezembro de 2014 18:03

    Quando criança eu tinha medo, hoje tenho admiração e respeito. Viva os palhaços!
    Abraço

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.