Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

10 de agosto de 2015

R E S P E I T O

Foto de Rita Cidreira.
RESPEITO
Conceito de respeito:
Sentimento que faz um ser humano a tratar alguém ou alguma coisa com grande atenção, profunda diferença, consideração, obediência, acatamento, reverencia: (respeito filial); submissão: (respeito as leis).
Atualmente fui testemunha de um acontecimento verídico, nas proximidade de minha vizinhança, que me fez refletir sobre este conceito.
Ao chegar em casa, depois de um dia estressante, em busca de atendimento médico para uma irmã, que precisava de consulta emergencial, de um cardiologista. Deparei-me com grande alvoroço, em torno de minha rua. Uma vizinha simplesmente gritava e esperneava, com xingamento e agressões, verbais e corporais a outros vizinhos. Um deles havia ligado para o Centro de Zoonoses, (carrocinha), para o resgate de uns cachorros e gatos, sem dono, vivendo em total abandono!
Ora! Até eu, já havia me irritado com os animais, pois eles fazem uma verdadeira zona, na rua, com seus latidos e miados. Sem contar que a rua, virou um sanitário público de dejetos de animais, trazendo transtorno e mau cheiro. Sendo assim, o vizinho aposentado, que já não suportava mais as ocorrências, provocadas pelos animais, providenciou solicitar o recolhimento dos mesmos. Motivo esse, que fez com que D. Maria (a vizinha), descesse do salto, rodando a baiana! A situação estava pra lá de descontrolada, ninguém se entedia mais!... E tive que ligar e chamar a policia! Em parte, D. Maria, tinha lá sua culpa, pois ela dizia-se a “dona”, dos animais desprezados.
Assim como, desprezava os animais, desprezava também as pessoais ao seu redor, Presenciava a indignação da vizinhança, reclamando da situação. Quase todos os dias havia uma mobilização e união dos outros para lavar e limpar a rua. E a D. Maria, não se importava! Não respeitava ninguém, destratava a todos!... Mas, naquele momento, declarou guerra, em favor dos animais. Como se os animais irracionais fossem seres humanos e os seres humanos fossem animais irracionais. A qualquer preço queria evitar que os animais fossem levados, colocando o valor dos animais, acima dos valores dos seres humanos. Depois de muitos desentendimentos e entendimentos, os animais foram recolhidos. E D. Maria levada para prestar esclarecimentos na delegacia.
Estarrecida! Fiquei de parte, analisando aquela situação e a atitude descabida de D. Maria, que naquele momento valorizava os animais, mais do que nós. Atiçava pedra e pedaços de pau, em todos, estava enfurecida!
Fiquei a me perguntar: Qual o valor do ser humano? Como avalizar atitude como esta? Uma pessoa que não cuida dos seus animais, que não valoriza nem cumprimenta seus vizinhos, não respeita seus pais, seus filhos, seu marido. E naquele momento deu um surto, descabido, destorcendo os sentimentos, modificando os valores, como se quiséssemos o pior, para os animais. Como respeitar um animal, mais do que um ser humano? É normal rejeitar, desconhecer sua própria espécie? Então, conclusivamente o ser humano, perdeu sua racionalidade, perdeu a confiança em si mesmo e em seu próximo. Suas crenças e valores estão mudando. É claro que na vida, existe a mutação natural, dos anos. Mas, é preocupante pensar, no egocentrismo do ser humano, em relação a outro de sua espécie, em diversas situações. Como se vivêssemos em constante guerra, dentro de nós, irradiando e refletindo em torno de nós mesmos, desconhecendo-nos uns aos outros. Comportamentalmente não nos tratamos com respeito, não mais nos comunicamos pessoalmente, existe cada vez menos, contato físico, cordialidade entre nós. Estamos nos deixando levar pela interatividade virtual. Nossos amigos são virtuais, nossos parentes são virtuais, desconhecemos nossos vizinhos. Os nossos parceiros, são os meios de comunicação virtuais e os nossos animais de estimações. Somos capazes de ficarmos horas conectados, nas redes sociais, fazendo amigos virtuais, passamos horas conversando com eles, expressando o que a mente pode fantasiar!... Somos reais, verdadeiros, mentirosos, sentimentais, amorosos e etc’s. Verdadeiros “avatares” de nós mesmo e da internet! E quando precisamos demonstrar realmente nossos sentimentos, nossas frustrações, demonstramos com amor exacerbado aos animais. Porque somos incapazes de nos mostrarmos verdadeiramente, para o outro e abraçar e demonstrar carinho, respeito, afeto e confiança! Não que, os animais não mereçam serem tratados com carinho e respeito, mas que não venham sobrepujar aos seres humanos.
O mais frustrante desse acontecimento foi constatar que, estamos doentes! Estamos cada vez mais sozinhos, isolados. Não exercemos mais, pessoalmente o contato humano. Cada dia aumenta mais, os casos de doenças horrendas: Síndrome do Pânico! Depressão! Bipolaridade! Desamor! E etc’s... Somos frutos do meio em que vivemos. Consequência daquilo que plantamos. Será que seremos capazes de mudar? De retomar e reconhecer nossa consciência? Precisamos mudar isso! Ou então? Pedir que a natureza, ou um ser superior a nós, o qual chamamos de “DEUS”, venha dizimar a raça humana!
Ou simplesmente reconhecer, que viramos animais irracionais!!! E desrespeitar os animais, pois eles se respeitam, mesmo sendo irracionais. Enquanto nós, mau nos toleramos uns aos outros, infelizmente!
Texto: Rita Cidreira. Minha irmã.


.


Foto de Rita Cidreira.

1 comentários :

  • Rita Cidreira says:
    10 de agosto de 2015 10:30

    Valeu Irmão, obrigada. Beijossssssssss

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.