Quem sou eu

Minha foto
Sou Guerreira, romântica, poeta, escritora, paciente, prudente, perseverante, amante da natureza...

Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

30 de abril de 2016

História da cerveja continuação de 1808 à 1900


A cerveja no Brasil de 1800 a 1850

1808 - A cerveja chega ao Brasil, trazida da Europa pela família Real Portuguesa. Durante a primeira metade do século XIX, a cerveja ainda era restrita a uma pequena parcela da população quando só havia marcas importadas.


1836 - 27 de outubro - a primeira notícia sobre a fabricação de cerveja no Brasil é de um anúncio publicado no Jornal do Commercio, Rio de Janeiro.
"Na rua Matacavalos, número 90, e rua Direita número 86, da Cervejaria Brazileira, vende-se cerveja, bebida acolhida favoravelmente e muito procurada. Essa saudável bebida reúne a barateza a um sabor agradável e à propriedade de conservar-se por muito tempo."



1846 - Georg Heinrich Ritter, natural de Kempfeld, de profissão tanoeiro, sua meta instalar uma cervejaria. Logo sua pequena linha de produção torna-se realidade em Linha Nova, hoje região de Nova Petrópolis - RS. E com 22 anos, Introduz a marca Ritter como uma das precursoras do ramo cervejeiro.


1848 Publicado no Almanak Laemmert de 1849: - Vogelin & Bager fundam uma cervejaria no bairro do Jardim Botânico no Rio de Janeiro – RJ.
É fundada a Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Leiden & Cia. na Rua de Matacavallos, 78, atual Rua do Riachuelo, no Rio de Janeiro – RJ, (este registro aparece pela primeira vez no Almanak Laemmert de 1851, a partir de 1857 passa a aparecer com a frase “fundada em 1848)”.


1849 Publicado no Almanak Laemmert de 1850: - João Bayer funda uma cervejaria na Lagoa de Freitas, no Rio de Janeiro – RJ.

A cerveja no Brasil de 1851 a 1900

1852 - O suíço Albrecht Schmalz decide se radicar com sua família às margens do ribeirão Mathias, na "Deutsche Pikade" (também conhecida como "Mathias Strasse", posteriormente Rua Saturnino Mendonça e atual Rua Visconde de Taunay), instalar seu maquinário e dar início a primeira cervejaria que se tem notícia em Joinville - SC.
1853 - É estabelecida a fábrica de cerveja de Jean-Jacques Oswald, pai do compositor Henrique Oswald, em São Paulo - SP, estabelecimento que teve curta duração.


Publicado no Almanak Laemmert de 1854:

Aparece pela primeira vez a fábrica de Carlos Rey & Cia., na Villa Thereza, como o primeiro a inaugurar, em Petrópolis - RJ, um estabelecimento para o fabrico de cerveja em escala industrial.
1854 Publicado no Almanak Laemmert de 1855: - Aparece pela primeira vez a fábrica de Luiz Augusto Chedel, situada na Villa Theresa 143, em Petrópolis - RJ.
Aparece pela primeira vez a Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Leiden (já existente no município da Côrte), situada na Rua dos Artistas 6 e 8 (depois Rua 7 de abril e atualmente Rua Alfredo Pachá) em Petrópolis - RJ. A propaganda de sua cervejaria, em 1857, diz ser ele o introdutor deste ramo de indústria no Brasil.
1855 - A Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Leiden & Cia. neste ano conta com 10 operários livres, nenhum escravo, sendo 8 homens e 2 mulheres.


Publicado no Almanak Laemmert de 1856:

Aparece pela primeira vez a Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Alexandre Maria VillasBoas & Cia., situada na Rua de Matacavallos, 27 (atual Rua do Riachuelo) no Rio de Janeiro – RJ.
1856 Publicado no Almanak Laemmert de 1857: - Aparece um depósito na Rua dos Latoeiros, 60 (atual Rua Gonçalves Dias) no Rio de Janeiro - RJ, que comercializa a Cerveja Nacional da Fábrica da Garganta de Petrópolis.
- Aparece pela primeira vez a fábrica pertencente a Jacob Nauerth, na Rua Nova do Conde 108 (atual Rua Visconde do Rio Branco), Rio de janeiro - RJ





1858

A Imperial Fábrica de Cerveja de Alexandre Maria VillasBoas & Cia. neste ano emprega 18 operários livres, nenhum escravo, todos do sexo masculino.
A Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Leiden, em Petrópolis, passa a ter como responsável Henrique Kremer, passando a se chamar Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Kremer.


Publicado no Almanak Laemmert de 1859:

A Imperial Fábrica de Cerveja de Alexandre Maria VillasBoas & Cia., passa a ter como responsável João Gonçalves Pereira Lima.
1859 12 de novembro - CONVITE: Concêrto instrumental, na fábrica de cerveja, rua dos Artistas nº 8, dado pela banda de música que aqui chegou do Rio de Janeiro, sábado 12 do corrente, às 7 horas da noite. Entrada 1$000. (a) Henrique Kremer (O Mercantil de 12.11.1859).


Publicado no Almanak Laemmert de 1860:
A Imperial Fábrica de Cerveja de João Gonçalves Pereira Lima passa a ter como responsável Antonio José Pereira Bastos.
A fábrica de cerveja de Carlos Rey, em Petrópolis, passa a ter como responsável José Bernasconi.
A Imperial Fábrica de Cerveja de Henrique Leiden, em Petrópolis, passa a ter como responsável Henrique Kremer.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Thimóteo Durier, situada na Rua do Imperador, Petrópolis - RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Joaquim Chidal (seria Augusto Chedel?), situada na Rua de Dona Januária (atual Rua Marechal Deodoro) Petrópolis - RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Pedro Gherard (Gerhardt), situada no Palatinado, Petrópolis - RJ.
1860 - O colono Herr Kunz instala a primeira cervejaria da Província de Minas, na Colônia São Pedro (atual Juiz de Fora), utilizando como matéria-prima milho ao invés de cevada.
1861 Publicado no Almanak Laemmert de 1862:

A fábrica de Jacob Nauerth, na Rua Nova do Conde (atual Rua Visconde do Rio Branco) Rio de Janeiro – RJ, passa a ter como responsável Carlos Berenson.
1864 - Heinrich Ritter começa a fabricar a primeira cerveja do Rio Grande do Sul, no porão de sua casa.


Publicado no Almanak Laemmert de 1865:
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Nossa Senhora da Glória de Joaquim Antonio Teixeira, situada na Rua da Pedreira da Glória 21 (atual Pedro Américo) no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Guarda Velha de Bartholomeu Correa da Silva, situada na Rua da Guarda Velha junto ao Circo Olímpico (atual Rua Treze de Maio) no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Nacional, de Fernandes & Brito, situada na Rua da Saude 139, no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez uma fábrica na Rua Matacavallos 19 A (atual Rua do Riachuelo) no Rio de Janeiro – RJ.
A Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Henrique Leiden & Cia. passa a ter como responsável Leon Leiden & Cia.
1865 - Com o falecimento de Henrique Kremer, foi constituída por seus herdeiros a firma Augusto Kremer & Cia.
1866 - É construída por Nicolau Neiss, em São Vendelino - RS, uma cervejaria. Na época, por falta de geladeiras, a cerveja era fabricadas em casas frescas e ventiladas, que eram meio-enterradas no chão.


Publicado no Almanak Laemmert de 1867:

Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Logos e Cia., fabricante da cerveja Independência Brasileira, situada na Rua do Riachuelo 84 (antiga Rua de Matacavallos), no Rio de Janeiro – RJ.
1867 - Surge a segunda cervejaria de Juiz de Fora - MG, a Cervejaria Kremer & Cia., no Morro da Gratidão (atual Av. dos Andradas), construída em terreno comprado da Cia. União e Indústria, desmembrado da Colônia D. Pedro II (correspondente a terrenos do atual bairro Jardim Glória) montada pela sua congênere Augusto Kremer & Cia. de Petrópolis - RJ..


Publicado no Almanak Laemmert de 1868:
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Commercio, de Justino de Faria Peixoto, situada na Rua de São Pedro 322 A (esta rua desapareceu com a abertura da Av. Pres. Vargas) esquina da Rua do Núncio (atual Rua República do Líbano), no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Cerveja Luzo-Brasileira, de Carvalho & Tavares, situada no Campo da Aclamação 47/49 (atual Campo de Santana) no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de T. A. Chaves e Cia. situada na Rua do Marquez d’Abrantes, 24, no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de F. Eppelsheimer, situada na Rua Aureliana, Petrópolis, Rio de Janeiro – RJ.
A fábrica de Joaquim Chidal muda para a Rua dos Protestantes (posteriormente Rua Dona Isabel, atual treze de maio), Petrópolis, Rio de Janeiro– RJ.
1868 - Louis Bücher, cervejeiro, natural de Wiesbaden, Alemanha, abre uma cervejaria na qual utiliza arroz, milho e outros cereais em vez de cevada, em São Paulo - SP.
Publicado no Almanak Laemmert de 1869:
A fábrica de T. A. Chaves e Cia. na Rua do Marquez d’Abrantes, Rio de janeiro – RJ, passa a ter como responsável Antonio Rigoard.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Cerveja Lusitana, de Costa Bastos e Carvalho, situada na Rua da Conceição 14, no Rio de Janeiro – RJ.
Aparece pela primeira vez a fábrica de Cerveja Aurora, de Silva Guimarães & Cia, situada na Rua Estreita de São Joaquim 23 (atual Rua Marechal Floriano) no Rio de Janeiro – RJ.
A Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Leon Leiden & Cia. muda-se para a Rua do Riachuelo 76/78 e passa a ser uma fábrica a vapor.
A fábrica de cerveja de Luiz Augusto Chedel, na Villa Theresa, passa a ter como responsável João Becker.
1869 Publicado no Almanak Laemmert de 1870:
A Fábrica de Cerveja Aurora, de Silva Guimarães & Cia, situada na Rua Estreita de São Joaquim 21/23 (atual Rua Marechal Floriano) passa a pertencer a Oliveira & Silva.
Aparece a Fábrica de Cerveja Allemã de Carlos Bernsau

A Fábrica de Cerveja Commercio, de Justino de Faria Peixoto, situada na Rua de São Pedro 322, passa a ter como responsável Pinto, Machado & Cia.
A Fábrica de Cerveja Luzo-Brasileira, de Carvalho & Tavares, situada no Campo da Aclamação 47/49 (atual Campo de Santana) passa a ter como responsável José Diniz Tavares Linde.
1870 - Carlos e Frederico Ritter estabelecem-se em Pelotas - RS e fundam a Cervejaria Carlos Ritter & Irmão, estabelecida na Rua Tiradentes.
1871 Publicado no Almanak Laemmert de 1872:
A Fábrica de Cerveja Lusitana, de Costa Bastos & Carvalho, situada na Rua da Conceição 14, passa a ter como responsável Duarte José Dias de Carvalho.
A Fábrica de Cerveja Aurora, situada na Rua Estreita de São Joaquim 21, de Oliveira & Silva passa a ter como responsável Oliveira & Barboza e ainda neste ano passa a ter como responsável somente Custódio José de Oliveira Barboza que a muda para a Rua Theophilo Ottoni 168, no Rio de Janeiro – RJ.
A Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Leon Leiden & Cia. passa a ter como responsável a viúva Leiden.
1872 Publicado no Almanak Laemmert de 1873:
A Fábrica de Cerveja Guarda Velha, de Bartholomeu Correa da Silva, situada na Rua da Guarda Velha junto ao Circo Olímpico, passa a ter como responsável Joaquim José Rodrigues Machado.
A Fábrica de Cerveja Aurora, Custódio José de Oliveira Barboza, situada na Rua Theophilo Ottoni 168, passa a ter como responsável Custódio José de Oliveira Barboza & Cia.
1873 Publicado no Almanak Laemmert de 1874:
A Fábrica de Cerveja Lusitana, de Duarte José Dias de Carvalho, situada na Rua da Conceição 14, passa a ter como responsável Paiva & Montebello.
1874 Publicado no Almanak Laemmert de 1875:
A Fábrica de Cerveja Nacional de Fernandes & Brito passa a ter como responsável Antonio José Fernandes e ter como novo endereço Rua da Saude 109, Rio de Janeiro - RJ.
A Fábrica de Cerveja Aurora de Custódio José de Oliveira & Cia. situada na Rua Theophilo Ottoni, passa a ter como responsável Cruz Machado & Pereira.
1875 Publicado no Almanak Laemmert de 1876:
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja de José Luiz Miguel Fortes, situada na Rua da Princeza 50, em Nichteroy (Niteroi) – RJ.
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Minerva de João Pereira de Santa Maria, situada na Rua do Sacramento 12 (atual Av. Passos), Rio de Janeiro - RJ.
A Fábrica de Cerveja Luzo-Brasileira, de João Henrique Alfredo Sampaio, situada no Campo da Aclamação 47/49 (atual Campo de Santana) passa a ter como responsável Ovidio, Correa & Cia. (Ovidio Saraiva de Carvalho e Antonio José Correa).
1876 - 31 de agosto - Na Cervejaria Augusto Kremer & Cia., separam-se, comercialmente, os sócios e cunhados, ficando Frederico Guilherme Lindscheid com a fábrica de Petrópolis - RJ, que passa a se chamar Imperial Fábrica de Cerveja Nacional e Augusto Kremer com a fábrica de Juiz de Fora - MG, que passa a se chamar Imperial Fábrica de Cerveja e Águas mineraes de Augusto Kremer e Cia.
A Cervejaria Carlos Ritter & Irmão é transferida para a Rua Marechal Floriano no encontro com a Marquês de Caxias (atual Santos Dumont), em Pelotas - RS.
1877 - Em São Paulo, o pequeno bar "À Cidade de Berna" passou a fazer pesada concorrência à "Gengibirra" e à "Caramuru", servindo em seu carramanchão florido a Cerveja Bávara (e não Bavária), então produzida por Stupakoff & Cia.


Publicado no Almanak Laemmert de 1878:
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Guarany de João Ignácio Ferreira, situada na Rua Barão de São Félix 130, Rio de Janeiro - RJ.
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja de C. Schuman & Cia., situada na Rua do Passeio 15, Rio de Janeiro - RJ.
A Fábrica de Cerveja Nacional de Antonio José Fernandes, situada na Rua da Saude 109, passa a ter como responsável Fernandes & Gomes (Antonio José Fernandes e Bento José Leonardo Gomes).
A Fábrica de Cerveja Commercio de Pinto Machado & Cia, situada a Rua de São Pedro 322, passa a ter como responsável Manoel Joaquim Pinto Machado.
1878 - Em Juiz de Fora - MG, morre Augusto Kremer, ficando a firma sob a direção da viúva de Kremer, que mudou o nome da Imperial Fábrica de Cerveja e Águas mineraes para Cervejaria Germânia.
1879 15 de setembro - É Inaugurada a Fábrica de Cerveja e Águas Minerais Weiss, na antiga chácara do barão de Pitangui localizada na Vilagem, Juiz de Fora - MG, por José Weiss após desligar-se da firma Imperial Fábrica de Cerveja Nacional de Augusto Kremer.


Publicado no Almanak Laemmert de 1880:


Depois de dois anos sem aparecer registro, aparece no endereço da Rua Theophilo Ottoni 168 (Fábrica de Cerveja Aurora, de Cruz Machado & Pereira), a Fábrica de Cerveja Central de Carvalho & Pereira (Manoel Joaquim Gomes de Carvalho e Guilherme Porphirio Lopes Pereira).
Aparece pela primeira vez a fábrica de cerveja de George Gruner e Otto Emil Muller, situada na Rua da Praia, Sete Pontes, Niteroi - RJ.
A Fábrica de Cerveja Minerva de João Pereira de Santa Maria, situada na Rua do Sacramento (atual Av. Passos) passa a ter como responsável Santa Maria & Povoas.
1880 - É criada a fábrica de cerveja Borboleta, de propriedade dos irmãos Scoralick, em Juiz de Fora - MG.


Publicado no Almanak Laemmert de 1881:

A Fábrica de Cerveja Central, de Carvalho & Pereira (Manoel Joaquim Gomes de Carvalho e Guilherme Porphirio Lopes Pereira) situada na Rua Theophilo Ottoni, passa a ter como responsável Pereira & Silva (Guilherme Porphirio Lopes Pereira e Joaquim João da Silva).
A Fábrica de Cerveja Commercio, de Manoel Joaquim Pinto Carvalho, situada na Rua de São Pedro 320/322, passa a ter como responsável Manoel Joaquim Gomes de Carvalho (Manoel Joaquim Gomes de Carvalho, Francisco Pinto Mascarenhas e Domingos Maria Lopes Braga).
A Fábrica de Cerveja Luzo-Brasileira, de Ovidio, Correa & Cia, situada no Campo da Aclamação 47/49 (atual Campo de Santana) passa a ter como responsável Oliveira & Cia. (Domingos Fernandes de Oliveira e Antonio José Correa).
1881 - É criada a fábrica de cerveja Poço Rico, em Juiz de Fora - MG.
1882 - Louis Bücher se associa a Joaquim Salles, proprietário de um abatedouro de suínos de nome "Antarctica" que possuía uma máquina de fazer gelo, localizado no atual bairro da Água Branca, São Paulo - SP.


Publicado no Almanak Laemmert de 1883:

Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Nova Princeza, de Pereira Júnior & Cia, situada na Rua do Senado 152, Rio de Janeiro - RJ.
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Leal da Rosa, situada na Rua dos Arcos 10, Rio de Janeiro - RJ, de Leal da Rosa & Figueiredo (Antonio Leal da Rosa e João Maria de Figueiredo).
Aparece pela primeira vez a Fábrica de Cerveja Princeza Imperial, situada na Rua Visconde de Itauna 13, Rio de Janeiro - RJ, de Alves, Bastos & Peixoto (Paulo de Souza Alves, Antonio Soares da Gama Bastos e Antonio Peixoto Cavalcante D'Orem).
1883 Publicado no Almanak Laemmert de 1884:

A Fábrica de Cerveja Luzo-Brasileira, de Oliveira & Cia., situada no Campo da Aclamação 47/49 (atual Campo de Santana) passa a ter como responsável Silveira & cia. (Antonio Machado da Silveira e Thomaz Basilio Martins).
A Fábrica de Cerveja Leal da Rosa, situada na Rua dos Arcos 10, de Leal da Rosa & Figueiredo passa a ter como responsável somente Antonio Leal da Rosa.
1884 Publicado no Almanak Laemmert de 1885:

A Fábrica de Cerveja Princeza Imperial, situada na Rua Visconde de Itauna, de Alves, Bastos & Peixoto passa a ter como responsável Peixoto, Guimarães & Cia. (Antonio Peixoto Cavalcante D'Orem, José Teixeira da Costa Guimarães, Manoel Antonio Pereira e Manoel Gomes Correa).
A Fábrica de Cerveja Guarda Velha, de Joaquim José Rodrigues Machado, situada na Rua da Guarda Velha junto ao Teatro Pedro II (antigo Circo Olímpico) passa a ter como responsável Emilio Gabel.
A Fábrica de Cerveja Leal da Rosa, situada na Rua dos Arcos 10, de Antonio Leal da Rosa passa a ter como responsável Leal da Rosa & Gonçalves (Antonio Leal da Rosa e Joaquim Gonçalves).
1885 Publicado no Almanak Laemmert de 1886:

A Fábrica de Cerveja Guarda Velha, de Emilio Gabel, situada na Rua da Guarda Velha junto ao Teatro Pedro II (antigo Circo Olímpico) passa a ter como responsável viúva Gabel.
1886 - É criada a fábrica de cerveja Winter, em Juiz de Fora - MG.
1887 Publicado no Almanak Laemmert de 1887:

A cerveja Luzo-Brasileira passa a se chamar Cerveja Attrahente Especial.
1888 - Um imigrante suíço, Joseph Villiger, acostumado ao sabor das cervejas européias e inconformado com a má qualidade das cervejas fabricadas no Brasil, resolveu abrir seu próprio negócio começando a fazer cerveja em casa.
6 de setembro - é registrada a "Manufactura de Cerveja Brahma Villiger & Companhia", fundada por Villiger, o brasileiro Paul Fritz e Ludwig Mack, lançando comercialmente a Cerveja Brahma. A manufatura foi inaugurada com uma produção diária de 12.000 litros de cerveja e 32 funcionários.
A sociedade de Joaquim Salles e Louis Bücher cria a "Antarctica Paulista - Fábrica de Gelo e Cervejaria" (primeira fábrica do bairro da Água Branca em São Paulo - SP, fundada em 1885 e dedicada à fabricação de gelo e produtos alimentícios).


Publicado no Almanak Laemmert de 1889:

A fábrica de cerveja de Leon Leiden passa a ter como responsável J. F. Stampa (fábrica de cerveja Derby).
1889 - 13 de março - é publicado o primeiro anúncio de uma "marca" de cerveja brasileira: "Cerveja Antarctica encontra-se à venda na Rua Boa Vista, 50 A", no jornal "A província de São Paulo" (atualmente o "Estado de São Paulo").
Morre Georg Heinrich Ritter, dois de seus onze filhos, já prosseguiam a dinastia da cervejaria dos Ritter. O primogênito Henrique e Carlos. Henrique estava instalado provisoriamente no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre - RS. Seu irmão Carlos, já havia se desligado e começado a produzir cerveja em Pelotas - RS.
1890 - A Antarctica aumenta seu quadro de funcionário para 200 e sua capacidade de produção é de 40 mil hectolitros/ano.
1891 - 12 de fevereiro - a Antarctica Paulista - Fábrica de Gelo e Cervejaria se transforma em sociedade anônima, com 61 acionistas, passando a se chamar Companhia Antarctica Paulista S/A. Dois desses acionistas: João Carlos Antonio Zerrener e Adam Ditrik Von Büllow eram sócios numa empresa de importação, em Santos, que facilitaria a compra de máquinas e de matéria prima para a cervejaria e que colocaram a disposição da nova sociedade 860 contos de réis de seu próprio capital.
11 de maio - o Presidente Marechal Deodoro da Fonseca, assina o decreto oficializando a Sociedade Anônima da Antarctica.
1892 - 20 de outubro - Inauguração e abertura da Cervejaria Bavária de Henrique Stupakoff & Cia.
5 de dezembro - a Bavária registra a cerveja Babylonia - Braun.
É instalada, pelo alemão Friedrich Wilhelm Metzenthin, uma fábrica de cerveja na Rua Augusto Ribas em Ponta Grossa - PR.
É inaugurada a Fábrica de Cerveja Augusto Mojola (águia bicéfala) - cerveja Borboleta, em Jundiaí - SP.
1893 9 de abril - Pelo decreto nº 122, o Presidente da República concede autorização a Domingos de Souza Carneiro para organizar uma sociedade anônima sob a denominação de Companhia Manufatora de Cerveja, Gelo e Aguas Minerais, em Petropolis - RJ.
É fundada por colonos italianos a Cervejaria Mora, em Petrópolis - RJ, com método de fabricação totalmente artesanal, com processos bastante antiquados como a fermentação ambiente.
Funda-se a Fabrica de Cerveja Commercio (Mora?) com a seguinte directoria: Pres. Alberto Móra, secret. José H. T. Land, thes. Antonio Joaquim Luiz Canedo Conselho fiscal - dr. José T. da Porciuncula, dr. João Vieira Barcellos e Antonio Pereira Campos. Supplentes, José de Oliveira Motta Azevedo, João C. Ferdinando Finkenauer e Felippe Bretz, cujo capital seria 200:000$ financiados pelo Banco do Brasil.
A Antartica está à beira da falência e a empresa Zerrener, Bülow & Cia., principal credora, assume o controle acionário da Companhia Antarctica Paulista, tendo como sócios majoritários os Srs. Antonio Zerrener e Adam Ditrik von Bülow, fundadores da Companhia Antarctica Paulista.
1894 - A Cervejaria Grossel abre uma filial, na Rua do Chafariz (atual Av. Vicente Machado), em Ponta Grossa - PR, logo Henrique Thielen passa a dirigir a fábrica, tornando-se sócio e posteriormente proprietário, alterando o nome para Fábrica de Cerveja Henrique Thielen.
1 de janeiro - É inaugurada a Cervejaria Dois Leões, na Rua Botanagua nº 127 em Juiz de Fora - MG, de propriedade de Carlos Stiebler.
É criada uma fábrica de cerveja no Arraial do Curral del Rey (atual Belo Horizonte) por Fornaciari - natural de Toscana, fabricando também bebidas gasosas, como soda e guaraná.
A Manufactura de Cerveja Brahma Villiger e Companhia é vendida a Georg Maschke, que a amplia e moderniza. No mesmo local onde havia nascido a Brahma, estabeleceu-se a nova empresa, com o nome de Georg Maschke & Cia. - Cervejaria Brahma.
6 de dezembro - a Brahma registra a cerveja Bier.
1895 - Instala-se em Mendes - RJ a fábrica de cerveja Teutonia de propriedade da Preiss Haussler e Cia.
1896 - março - a Imperial Fábrica de Cerveja Nacional, com a morte de Lindscheid, passa a pertencer a sua filha Carolina Lindscheid Kremer, casada com Henrique Kremer (neto do fundador).
1897

16 de setembro - a Brahma registra a cerveja Crystal.
6 de dezembro - a Brahma registra a cerveja Pilsener.
1898

26 de abril - a Preiss Haussler & Cia faz uma permuta com a Irmandade de Santa Cruz para acomodar o seu estabelecimento fabril.
agosto - é criada a Cervejaria Bohemia que fica com todos os bens da antecessora, a Imperial Fábrica de Cerveja Nacional e com os mesmos diretores: Henrique Kremer e Guilherme Bradac.
É fundada por Henrich Feldmann Senior a Cervejaria Feldmann, em Blumenau - SC, onde produz as cervejas Victória e Bock.
1899

Joseph Villiger, da Manufactura de Cerveja Brahma Villiger & Companhia, adquire a Cervejaria Bavária, localizada na Moóca - SP, A nova empresa aperfeiçoou a fabricação da cerveja, importou equipamentos, patrocinou bares, restaurantes e artistas.
16 de janeiro - a Brahma registra a cerveja Pilsen.
16 de janeiro - a Brahma registra a cerveja Franziskaner- Bräu, apelidada de "franciscana".
É criada a Cervejaria Rio Claro, em Rio Claro - SP, pelo Major Carlos Roiz Pinto, lançando comercialmente uma cerveja preta, tipo stout, com marca Caracu.
1900 - Criada, na Vila Mariana - SP, a Cervejaria Guanabara (onde a maior parte dos empregados eram alemães que moravam próximo).

6 comentários :

  • Donetzka Cercck Lavrak Alvarez says:
    27 de novembro de 2012 12:29

    OI,LU!

    SEU BLOG É UMA AULA SOBRE A CERVEJA.ADORO!

    COMO O COLOQUEI EM BLOGS FAVORITOS,RECEBO TODAS AS SUAS ATUALIZAÇÕES.

    BOM,NÉ?


    ESTAREI SEMPRE LENDO QUASE EM PRIMEIRA MÃO.


    BEIJOKAS


    DONETZKA

  • MARILENE says:
    27 de novembro de 2012 14:29

    Nossa!!!! Eu nada conhecia sobre o assunto (rss). Muito interessante, embora não seja amante de cerveja. Abraços!

  • Adriana Helena says:
    27 de novembro de 2012 16:43

    Lu Cidreira... amigo! Tudo bem?
    Confesso que o seu post me deixou tonta de tanta informação sobre a cerveja amigo! Puxa, ficou ótimo e bastante detalhado!

    Uma enciclopédia para os adoradores desta excelente bebida! Eu gosto muito pois não engorda e faz muito bem para a saúde! Até já falei sobre os benefícios dessa maravilhosa bebida e agora aproveitei para conhecer mais a fundo seus fundadores e criadores!

    Ah, obrigada por dispor o link do Vivendo Feliz em seu blog! É muita gentileza da sua parte e farei o mesmo amigo! Obrigada!!!
    Abraços e uma semana maravilhosa!!!

  • ZilMar says:
    27 de novembro de 2012 20:33

    Oi Lu,amei essa aula sobre a cerveja aqui no Brasil!

    sou cervejeira assumida...rsrsrsrs...e td que diz respeito a essa bebida que parece ter feita para o nosso país muito me interessa.

    um grd e afetuoso abraço!

    Zil

  • Olinda Melo says:
    28 de novembro de 2012 15:32


    Olá, Lu Cidreira

    E eu que não sabia nada disso, que a cerveja foi levada pela Família Real Portuguesa em 1808!

    Achei interessantíssima a informação:"reúne a barateza a um sabor agradável e à propriedade de conservar-se por muito tempo."

    A partir daí quanta evolução evolução!

    Obrigada, meu amigo.

    Abraço

    Olinda

  • Vampira Dea says:
    28 de novembro de 2012 18:15

    Maravilha saber mais sobre este liquido adorado!
    Valeu

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.