Follow by Email

Minha lista de blogs

Dias de Vida do blog

Total de visualizações de página

19 de janeiro de 2017

Bafômetro

bafômetro é um aparelho que permite determinar a concentração de bebida alcoólica em uma pessoa, analisando o ar exalado dos pulmões.
A concentração de álcool no hálito das pessoas está relacionada com a quantidade de álcool presente no seu sangue dado o processo de troca que ocorre nos pulmões, isso se deve ao fato do etanol ser totalmente solúvel em água.
O motorista deve assoprar com força no canudinho, que conduzirá o ar de seus pulmões para um analisador contendo uma solução ácida de dicromato de potássio.
O álcool presente no "bafo", é convertido em ácido acético conforme mostra a reação abaixo:
3 CH3CH2OH + 2 K2Cr2O7 + 8 H2SO4 --> 3 CH3COOH + 2 Cr2(SO4)3 + 2 K2SO4 + 11 H2O
Nesta reação o etanol é convertido a ácido acético e o cromo, na forma de íon cromato (amarelo alaranjado) é transformado em Cr+3 (coloração verde).
Quanto maior a concentração de álcool mais intensa é a coloração esverdeada obtida.
O limite máximo permitido no Brasil é 0,6 g de álcool por litro de sangue.
% de álcool no sangueEfeito no ser humano
0,05sensação de euforia
0,1perda da coordenação motora
0,2desequilíbrio emocional
0,3inconsciência
0,4 a 0,5estado de coma
0,6 a 0,7morte

O limite de grama de álcool/ litro de sangue tolerado para motoristas em alguns países

0,8 – Áustria, Espanha, Inglaterra, Alemanha, Irlanda e Itália
0,5 – Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda e Portugal
0,2 – Suécia
0 – Japão
Fonte: www.cq.ufam.edu.br
Bafômetro
bafômetro é um aparelho que permite determinar a concentração de bebida alcóolica em uma pessoa, analisando o ar exalado dos pulmões.
O princípio de detecção do grau alcóolico está fundamentado na avaliação das mudanças das características elétricas de um sensor sob os efeitos provocados pelos resíduos do álcool etílico no hálito do indivíduo.
O sensor é um elemento formado por um material cuja condutividade elétrica é influenciada pelas substâncias químicas do ambiente que se aderem à sua superfície.
Sua condutividade elétrica diminui quando a substância é o oxigênio e aumenta quando se trata de álcool.
Entre as composições preferidas para formar o sensor destacam-se aquelas que utilizam polímeros condutores ou filmes de óxidos cerâmicos, como óxido de estanho (SnO2), depositados sobre um substrato isolante.

A correspondência entre a concentração de álcool no ambiente, medida em partes por milhão (ppm), e uma determinada condutividade elétrica é obtida mediante uma calibração prévia onde outros fatores, como o efeito da temperatura ambiente, o efeito da umidade relativa, regime de escoamento de ar etc., são rigorosamente avaliados.
A concentração de álcool no hálito das pessoas está relacionada com a quantidade de álcool presente no seu sangue dado o processo de troca que ocorre nos pulmões.
Fonte: www.virtual.epm.br
Bafômetro

Álcool e direção, o encontro sinistro

Uma pesquisa efetuada pela associação dos DETRANS indicou que o álcool, mesmo em pequenas quantidades, está por trás de 61% dos acidentes de trânsito, principalmente nos grandes centros urbanos.
Estudos realizados em Hospitais Públicos de Emergência em Brasília, Curitiba, Salvador e Recife, revelaram os seguintes resultados:
-61% das vítimas de acidentes de trânsito estavam alcoolizadas, tanto os motoristas quanto os pedestres;
-75% dos motoristas feridos ou mortos haviam ingerido alguma quantidade de bebida alcoólica;
Isso demonstra que o consumo irresponsável de bebidas alcoólicas, por quem está por trás de um volante num veículo automotor , é muito elevado.
Pior ainda é saber que essa mistura de álcool, mais a direção, tem sido uma das principais causas de acidentes fatais envolvendo jovens brasileiros.
As estatísticas provam que os acidentes graves, envolvendo motoristas entre 18 e 25, anos constitui-se maioria absoluta, chegando a 64% dos acidentes fatais.

Se você estiver acompanhando um grupo de amigos e aquele que vai dirigir começar a beber, aja preventivamente, evite que uma possível tragédia aconteça, siga as orientações de quem já passou por isso:
1-Se você é habilitado e não ingeriu bebida alcoólica, fique responsável pela direção do veículo. Não deixe seu amigo dirigir, mesmo se ele insistir;
2-Tente conscientizá-lo de que ele pode tirar não apenas a vida dele, mas, a sua e de outras pessoas;
3-Se o seu amigo bebeu a ponto de desmaiar, leve-o para ser atendido num posto médico de emergência.
4-Procure mantê-lo aquecido, não dê banho frio;
5-Exercício, ar fresco, banho de água fria e café não removem o álcool da corrente sangüínea.
Portanto, não existe uma fórmula simples que possa ser dada para quem bebeu. O tempo é fator principal na redução dos efeitos do álcool, no corpo humano.
De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, quem tiver mais de 0,6 gramas de álcool por litro de sangue fica proibido de dirigir. Essa taxa equivale a uma dose de wisk ou duas latinhas de cerveja e varia com o peso da pessoa. A partir desse limite, o indivíduo começa a sofrer alterações dos sentidos, dos reflexos e perde parte da sua percepção de velocidade e distância.
Bebidas/dose - Concentração de álcool -Gramas de álcool
1 lata de cerveja / 350 ml - 5% -17 gramas de álcool
1 copo de chope / 200 ml - 5% - 10 gramas de álcool
1 copo de vinho / 90 ml - 12% -10 gramas de álcool
1 dose destilado (uísque, pinga, vodca) / 50 ml - 50% - 25 gramas de álcool.
Para mostrar os efeitos malignos do álcool, vamos ver a seguir alguns exemplos de sua atuação no organismo:
-O álcool diminui a capacidade de reação. Ele causa depressão e pode levar o motorista a um estado de relaxamento. Pode também causar um falso estado de bem-estar e, com isso também provocar a sensação de euforia e excesso de confiança.
-O álcool reduz a inibição e aumenta o risco de acidente. O primeiro efeito tende a eliminar a normal inibição. A habilidade para controlar as más condições do trânsito torna-se quase inexistente. Ele prejudica a capacidade de julgamento de situações e induz o motorista a desrespeitar as normas de trânsito, sem considerar suas conseqüências.
-O álcool debilita o controle neuromuscular. O motorista não pode dividir sua atenção satisfatoriamente depois de uma pequena dose de bebida. A habilidade de mudar a atenção de um acontecimento para outro, ou fazer as duas coisas de uma vez, que é exigida para direção segura, torna-se em grande parte reduzida.
-O álcool afeta a visão, duplicando a imagem. Um motorista não pode julgar corretamente a velocidade de seu carro ou dos outros. Ele não pode julgar adequadamente a distância em que se encontra em relação a outros carros. Os olhos tendem a movimentar-se mais lentamente. Eles tendem a fixar-se em alguma coisa sem percepção periférica.
-O álcool torna demorado o tempo de reação. As reações rápidas que o motorista deve ser capaz de fazer, tornam-se mais difíceis. O álcool começa a debilitar o motorista logo depois do primeiro trago.
Fique sempre atento, não seja passageiro de ninguém que tenha bebido, mesmo que só uma dose. Muitas vezes, doses pequenas podem comprometer a habilidade do motorista. Lembre-se, a vítima pode ser você.
A MP 415, convertida em projeto de lei e sancionada pelo presidente em 20.06.2008 diz que o Condutor flagrado após beber qualquer quantidade pagará multa de 957,70, terá o direito de dirigir suspenso por um ano (apreensão da CNH) e o veículo ficará retido até a apresentação de outro condutor.
Com o advento da Lei seca dirigir sob a influência de álcool, a nível superior a 6 decigramas por litro de sangue é considerado uma infração gravíssima, cuja penalidade era uma multa no valor de R$957,70 (novecentos e cinquenta e sete reais e setenta centavos) e a suspensão do direito de dirigir, tendo como medida administrativa a retenção do veículo até a apresentação de condutor habilitado e recolhimento do documento de habilitação. A partir de agora a multa para quem dirigir embriagado, o valor sobe de R$ 957,70 para R$ 1.915,40. A multa pode chegar a R$ 3.830,80 em caso de reincidência em um período de doze meses.
Agora, uma gota de álcool no sangue vai render multa.
RESOLUÇÃO Nº 432, DE 23 DE JANEIRO DE 2013.
Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas autoridades de trânsito e seus agentes na fiscalização do consumo de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência, para aplicação do disposto nos arts. 165, 276, 277 e 306 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro (CTB).
Uma combinação de "sintomas" como olhos vermelhos, desordem nas vestes, ironia e fala alterada pode render ao motorista abordado em uma blitz da Lei Seca uma multa de R$ 1.915,40, além de outras penalidades.
O Contran (Conselho Nacional de Trânsito) definiu quais sinais devem ser avaliados pelo agente de trânsito para confirmar a embriaguez do condutor. O documento ainda aponta os limites de álcool tolerados para aplicação de pena administrativa.
A partir da nova legislação, o conselho, vinculado ao Ministério das Cidades, definiu novos parâmetros para exames de sangue e bafômetro, estabelecendo tolerância zero para percentuais de álcool registrados nos exames.
Assim, o motorista que tiver qualquer vestígio de álcool em exame de sangue será penalizado com aplicação de multa, suspensão do direito de dirigir por um ano, recolhimento da carteira de motorista e retenção do veículo.
Até então, a margem de tolerância para aplicação dessas penalidades era de 0,2 grama de álcool por litro de sangue.
O conselho ainda reduziu a tolerância no bafômetro. Se antes o limite era de 0,1 miligrama de álcool por litro de ar expelido, agora será de 0,05.
"Essa é a margem de segurança do Inmetro [para o aparelho medidor], não à tolerância do álcool", explicou o ministro Aguinaldo Ribeiro (Cidades). Os limites que qualificam crime de trânsito, entretanto, não foram alterados.
CONSENTIMENTO
Apesar do aumento do rigor, os exames só podem ser realizados com o consentimento do motorista. Como ninguém é obrigado a produzir prova contra si, é comum o motorista se recusar a passar pelos procedimentos.
Nesse caso, a lei sancionada em dezembro também aceita como prova a identificação, pelo agente de trânsito, de "sinais de alteração da capacidade psicomotora".
Foram esses os sinais definidos ontem pelo Contran e que já estão em vigor. O ministro das Cidades reconheceu que a mudança pode ser alvo de polêmica entre os motoristas brasileiros.
"A pessoa que se sentir prejudicada terá sempre a via judicial", ponderou.
Agora com a tolerância zero a situação mudou para os motoristas que gostam de beber.
Bêbado que mata ao volante terá pena maior.
O crime será considerado homicídio doloso (o condutor tem consciência dos riscos ao beber por saber que dirigir sob efeito do álcool é crime).
Sendo assim, a melhor maneira de evitar todos estes transtornos é não beber ao dirigir.
Se você não se preocupa com a sua saúde, bebeu algumas doses e esta se sentindo um pouco embriagado, peça para alguém dirigir para você ou chame um táxi, pois com certeza vai lhe custar muito menos, você não terá problemas com a polícia e nem terá despesas com pagamento de multas.
Melhor mesmo é não beber, pois faz bem para sua saúde e o bolso agradece.
Teste de álcool no sangue
De acordo com a resolução do CONTRAN nº 206 de 20 de outubro de 2006, que dispõe sobre os requisitos necessários para constatar o consumo de álcool, substância entorpecente, tóxica ou de efeito análogo no organismo humano, a confirmação de que o condutor se encontra dirigindo sob influência de álcool ou de qualquer substância entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica, se dará por, pelo menos, um dos seguintes procedimentos:
I - teste de alcoolemia com a concentração (tolerância zero) de álcool por litro de sangue;
II - teste em aparelho de ar alveolar pulmonar (etilômetro) que resulte na concentração de qualquer quantidade (tolerância zero) de acordo com a MP 415, convertida em projeto-de-lei e sancionada pelo presidente em 20.06.2008.;
III - exame clínico com laudo conclusivo e firmado pelo médico examinados da Polícia Judiciária;
IV - exames realizados por laboratórios especializados, indicados pelo órgão ou entidade de trânsito competente ou pela Polícia Judiciária, em caso de uso de substância entorpecente, tóxica ou de efeitos análogos.
No caso de recusa do condutor à realização dos testes, dos exames e da perícia, a infração poderá ser caracteriza mediante a obtenção, pelo agente da autoridade de trânsito, de outras provas em direito admitidas acerca dos notórios sinais resultantes do consumo de álcool ou de qualquer substância entorpecente apresentados pelo condutor.
O bafômetro é um aparelho que permite determinar a concentração de bebida alcóolica em uma pessoa, analisando o ar exalado dos pulmões. A concentração de álcool no hálito das pessoas está relacionada com a quantidade de álcool presente no seu sangue dado o processo de troca que ocorre nos pulmões, isso se deve ao fato do etanol ser totalmente solúvel em água.
O limite de grama de álcool/ litro de sangue tolerado para motoristas em alguns países
0,8 – Áustria, Espanha, Inglaterra, Alemanha, Irlanda e Itália
0,5 – Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda e Portugal
0,2 – Suécia
0 – Japão
0 – BRASIL
O motorista deve assoprar com força no canudinho, que conduzirá o ar de seus pulmões para um analisador contendo uma solução ácida de dicromato de potássio. O álcool presente no "bafo", é convertido em ácido acético conforme mostra a reação abaixo:
3 CH3CH2OH + 2 K2Cr2O7 + 8 H2SO4 --> 3 CH3COOH + 2 Cr2(SO4)3 + 2 K2SO4 + 11 H2O
Nesta reação o etanol é convertido a ácido acético e o cromo, na forma de íon cromato (amarelo alaranjado) é transformado em Cr+3 (coloração verde).
Quanto maior a concentração de álcool mais intensa é a coloração esverdeada obtida. O limite máximo permitido no Brasil é tolerância zero álcool por litro de sangue.
bafômetro é um aparelho que permite determinar a concentração de bebida alcoólica em uma pessoa, analisando o ar exalado dos pulmões. A concentração de álcool no hálito das pessoas está relacionada com a quantidade de álcool presente no seu sangue dado o processo de troca que ocorre nos pulmões, isso se deve ao fato do etanol ser totalmente solúvel em água.

Fonte: www.atividadesrodoviarias.pro.br

0 comentários :

Comentários atuais

Seguidores

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Uol

Gostou do Blog? Então doe um drinque?

Estamos no Google+

Google+ Followers

Lançamento do livro de Rita Cidreira

Lançamento do livro de Rita Cidreira
Os maus tratos vividos em um casamento conturbado de uma mulher bem sucedida na vida vão transformar sua vida e viver um dilema de sentimentos. Ela luta com a ajuda da família, para solucionar o problema e se renova buscando a força necessária, para reviver uma nova historia, encontrado no acaso, através da ajuda de um homem desconhecido a força do amor que ira desabrochar e vai mudar toda sua vida. A mudança de um homem, que por causa de um atropelamento, ressurge, emerge para o brilho da vida e persevera, perseguindo seu real objetivo, para viver seu grande amor. Mesmo sabendo de todas as dificuldades que irá encontrar para prosseguir o seu caminho. Categorias: Romance, Poesia, Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: a, amor, do, força, fronteiras., sem. Clique na imagem que levará ao Clube dos Autores e adquira seu exemplar.